Categorias
Como fazer um TCC Projeto de pesquisa

Projeto de pesquisa: Descubra como fazer, passo a passo, sem orientador!

O projeto de pesquisa é uma das mais perigosas armadilhas para os estudantes que ainda não sabem como fazer um TCC. Isso acontece por que maioria deles ainda pensa que o projeto de pesquisa científica não passa de uma formalidade burocrática. Mas esse é o pior dos enganos…

Eu fico preocupado quando vejo alguém pensando que o projeto de pesquisa seria uma só formalidade burocrática… Ele é o planejamento, o roteiro, o mapa do TCC!

É no projeto de TCC que estão os elementos que vão dizer como é que você vai realizar a pesquisa e como serão organizados os capítulos do seu trabalho.

Você entende agora por que ele é tão importante?

É por isso que o segundo passo do meu método para fazer um TCC rápido e com qualidade é justamente a matriz de TCC.

Essa matriz que eu mostro lá no treinamento serve justamente para você definir os elementos essenciais de um projeto, passo a passo, de forma simples e objetiva.

Se você quer fazer o seu TCC bem feito, com rapidez e sem sofrimento, então você precisa conhecer o TCC Prático, que é o meu método de nove passos.

Mas você deu muita sorte ao encontrar esse artigo. Quando terminar de ler, você vai saber como fazer um projeto de pesquisa, passo a passo. Para tanto, o artigo foi dividido da seguinte forma:

[toc]

Mas eu tenho que ser honesto e te avisar que não adianta tentar aprender como fazer um TCC, se você não tiver um bom tema. Por isso preparei um ebook que é um verdadeiro manual para você achar seu tema sem precisar de orientador. Então clica na imagem a seguir e baixa o ebook em PDF… é grátis!

ebook temas para TCC.pdf

O que é projeto de pesquisa?

De acordo com a ABNT, um projeto de pesquisa científica é a descrição da estrutura de um empreendimento a ser realizado. Esse empreendimento é uma pesquisa científica que chamamos de Trabalho de Conclusão de Curso.

O projeto de pesquisa, então, é o documento que descreve o planejamento da sua pesquisa científica. Lendo o projeto de pesquisa científica, qualquer pessoa deve ser capaz de entender o escopo do seu TCC, os métodos que você vai usar e os resultados que espera encontrar.

O projeto sinaliza quais são os rumos da pesquisa científica, servindo como uma espécie de mapa para a confecção do TCC. É o primeiro grande passo de uma pesquisa bem-sucedida.

É uma carta de intenções que visa mostrar o plano de como fazer o Trabalho de Conclusão de Curso. Por esse motivo, ele é usado como critério de seleção nos cursos de mestrado e doutorado.

O projeto de pesquisa serve também para evitar o desperdício e o retrabalho na redação do trabalho acadêmico. Por isso, mesmo na graduação ou especialização, exige-se algum planejamento, por meio de um “pré-projeto” ou “matriz”.

Se você não tiver um, ou se ou seu projeto de pesquisa científica estiver mal feito, você sofrerá muito com a falta de rumo e de coesão.

Vai ficar parecendo que o TCC é difícil e o seu assunto é ruim. Porém, na verdade, você é quem não estará sabendo onde quer chegar e o que quer fazer.

Projeto de Pesquisa ABNT

A importância do projeto de pesquisa é tão grande, que a ABNT se preocupou em estabelecer uma Norma específica para padronizar o formato desse documento.

A ABNT é uma associação privada, sem fins lucrativos, fundada em 1940, tendo por objeto a normalização técnica. A ABNT se mantém com a venda de publicações e realização de cursos.

Porém, as “Normas Brasileiras” não são obrigatórias, então cada instituição de ensino pode adotar, ou não, as regras ABNT.

Por isso, muitas instituições de ensino não exigem o projeto de pesquisa no âmbito da graduação e especialização. Na verdade, essas faculdades não estão abrindo mão do projeto, mas elas aceitam que ele seja feito em formatos menos rigorosos.

No entanto, existe uma norma ABNT específica para o projeto de pesquisa. Trata-se da NBR 15.287, de 17/04/2011. Se você compreender esse modelo, todos os outros parecerão bem mais simples.

REGRAS ABNT – NBR 15287

A NBR 15.287, de 17/04/2011, é a norma da ABNT que estabelece as regras para a elaboração de um projeto de pesquisa no Brasil. Você pode encontrá-la clicando aqui.

Como eu já disse, não se trata de uma regra obrigatória, posto que as faculdades não têm o dever de segui-la. Porém, a NBR 15.287 estabelece um guia bem detalhado sobre como fazer um projeto de pesquisa.

Por esse motivo, a NBR 15.287 acaba tendo aceitação quase unânime. Então, se você está iniciando um projeto de pesquisa, é muito importante conhecê-la. Mas não se preocupe, pois nesse artigo vou explicar todas as suas regras.

A NBR 15.287 se inicia com a apresentação de seu escopo, as referências normativas, bem como os termos e definições usados em seu texto. Esses conteúdos eu vou te explicar na medida em que eles se façam necessários aqui no texto.

Entretanto, a parte principal da NBR 15.287 está na estrutura e nas regras gerais do projeto de pesquisa. Essas regras gerais são importantes para a formatação do documento, mas o essencial mesmo é a estrutura. Então vamos começar por ela.

Estrutura de um projeto de pesquisa científica

A estrutura de um projeto de pesquisa se confunde com a estrutura do próprio TCC, porém com algumas peculiaridades.

Segundo a NBR 15.287, o projeto de pesquisa deve obedecer à seguinte estrutura:

1 Parte externa:

Capa (opcional);

Lombada (opcional).

2 Parte interna:

2.1 Elementos pré-textuais:

Folha de Rosto (obrigatório);

Lista de ilustrações (opcional);

Lista de tabelas (opcional);

Lista de abreviaturas e siglas (opcional);

Lista de símbolos (opcional);

Sumário  (obrigatório);

2.2 Elementos textuais:

Introdução ;

Tema  (obrigatório);

Problema  (obrigatório);

Hipótese  (obrigatório);

Objetivos  (obrigatório);

Justificativas  (obrigatório);

Referencial Teórico (obrigatório);

Metodologia (obrigatório);

Recursos Necessários (obrigatório);

Cronograma (obrigatório);

2.3 Elementos pós textuais:

Referências (obrigatório);

Glossário (opcional);

Apêndice (opcional);

Anexo (opcional);

Índice (opcional).

Como você deve estar observando, há uma grande diversidade de elementos, mas apenas alguns deles são obrigatórios. Grande parte deles é opcional!

Os demais, você só precisa fazer se a complexidade do seu trabalho vier a exigir.

Por onde começar?

A primeira e mais importante de todas as decisões que você tem que tomar em todo a jornada do TCC, inclusive para iniciar o projeto de pesquisa, é a escolha do tema de TCC. Não tem jeito!

Aqui no blog tem um artigo sobre esse assunto. Mas, se você quiser achar agora seu tema, recomendo que baixe gratuitamente o ebook que fiz especialmente para tirar esse peso dos seus ombros (clique aqui).

Resumidamente, para escolher um bom tema de TCC, você precisa encontrar um assunto geral e um ponto de vista para analisá-lo. Depois você tem de escolher uma palavra ou expressão que faça uma relação entre essas duas coisas e depois delimitar tanto quanto for conveniente.

Exemplo de temas para Projeto de Pesquisa

No artigo sobre temas para TCC eu mostrei o seguinte exemplo:

“O impacto (palavra de ligação) econômico (delimitação) da seca (assunto geral) para a produção pecuária (ponto de vista), em relação à indústria do queijo (delimitação), entre os pronafianos (delimitação) da região semi-árida (delimitação) do sertão central cearense (delimitação), em 2016 (delimitação)”.

Perceba que os três elementos (assunto geral, ponto de vista e palavra de ligação) estabelecem o norte da pesquisa. Essas são as 03 coisas que o TCC irá entregar para o leitor e, por isso, devem ser o ponto de partida para o projeto de pesquisa.

ebook temas para TCC.pdf

Esses três elementos vão te dar pelo menos o problema, o objetivo geral, os objetivos específicos e a hipótese. E ainda vão te ajudar e fazer a justificativa e definir a metodologia a ser utilizada.

Além disso, a delimitação serve para impor limites e balizar o foco do trabalho. Por isso, também deve ser levada em consideração na elaboração do projeto de pesquisa, embora não tenha um papel específico.

As perguntas essenciais que você precisa responder antes de começar a escrever um projeto de pesquisa

A melhor maneira de evitar um bloqueio criativo, quer dizer, o famoso “branco”, é preparar alguns tópicos antes de começar a escrever.

Para te ajudar a definir esses tópicos, eu preparei algumas perguntas. Se você responder todas elas, provavelmente já terá a essência do seu projeto de pesquisa. Aí vai ficar mais fácil começar a escrever… Veja quais são elas:

Utilidade da Resposta Perguntas
 Tema O que você vai pesquisar? O que existe de interessante sobre isso?
Justificativa         Por que alguém deve se informar sobre isso? Isso é importante para quem, onde e por quê?
Problema Qual é a controvérsia que existe sobre isso?
Objetivos O que você quer mostrar com essa pesquisa?
Hipótese O que você acha que pode descobrir?
Metodologia Como você vai procurar e analisar as informações?
Cronograma Em quanto tempo você pretende fazer a pesquisa? Quando você vai terminar?
Recursos Onde você espera achar as informações?
    Referencial Teórico e Referências O que já existe pronto sobre isso?

 

Tente escrever numa página do seu editor de textos as respostas para cada uma dessas perguntas. Mas procure fazer isso no formato de tópicos, deixe para escrever os detalhes depois.

Assim você vai ter uma “chuva de ideias” que lhe permitirá ter uma visão geral do projeto antes mesmo de começar a escrever!

Projeto de Pesquisa Passo a Passo

[sociallocker id=”14205″]
Como eu disse antes, o projeto de pesquisa tem elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais. Mas você não deve seguir essa sequência.

O ideal é começar pela parte textual, onde estará a substância do projeto. Depois você faz os elementos pós-textuais e só no final os elementos pré-textuais.

Isso é necessário por que as referências só devem ficar prontas quando você já tiver terminado o referencial teórico. Também, por que só é possível finalizar o sumário quando todo o resto já estiver pronto.

Então, também vou seguir essa ordem, começando pelos elementos textuais.

Perceba que nessa parte do projeto de pesquisa só há elementos obrigatórios! São eles: introdução, referencial teórico, metodologia, recursos necessários e cronograma.

Introdução

Como eu disse no início do texto, o primeiro passo é delimitar um bom tema de TCC. Depois de definir o tema, o segundo passo é fazer uma boa introdução.

O ideal é iniciar a introdução informando o tema ou apresentando a justificativa. Eu prefiro iniciar com a justificativa primeiro, pois assim é mais fácil gerar curiosidade no leitor.

Justificativa

É recomendável que a justificativa tenha 02 ou 03 parágrafos, num total máximo de 12 linhas. Essa é a quantidade de texto suficiente para mostrar ao leitor que ele precisa ler sobre o seu tema.

Eu gosto de usar números. Dados e estatísticas normalmente fazem a prova cabal da importância de qualquer tema. Isso fica ainda mais evidente quando a fonte é de autoridade, como um órgão público ou uma universidade, por exemplo.

Mas não existe uma fórmula certa. A justificativa pode partir de um contexto entre necessidade e a busca de solução. Mas também de uma notícia, de uma citação e até de uma estória.

O importante é que você demonstre de forma impessoal que o tema a ser estudado na pesquisa é relevante. Mas lembre que o tema deve ser relevante para a ciência e não para você.

Você pode até partir da importância do tema para uma população, sujeito, grupo ou entidade, mas sempre com foco no avanço científico.

Tema

Depois da justificativa, você já deve emendar em seguida 01 parágrafo dedicado apenas para informar qual é o tema.

Se você já tiver feito a justificativa, não será mais necessário explicar nada, pois o leitor já saberá o contexto da sua investigação.

Nesse caso, a apresentação do tema será muito mais importante para nortear outras partes da introdução, especialmente o problema e os objetivos.

ebook temas para TCC.pdf

Problema

O problema de pesquisa é, literalmente, a parte mais fácil de fazer. Parece contraditório dizer isso, pois existe uma reclamação geral dos estudantes sobre isso.

Na verdade, a dificuldade não está no problema, mas sim nos temas mal elaborados! Explico. O problema de pesquisa nada mais é que o tema precedido de um pronome relativo e uma interrogação no final. Só isso e mais nada!

Olha o tema que eu usei lá em cima:

“O impacto econômico da seca para a produção pecuária, em relação à indústria do queijo, entre os pronafianos da região semi-árida do sertão central cearense , em 2016”.

Agora olha como seria o problema de pesquisa para esse tema:

Qual o impacto econômico da seca para a produção pecuária, em relação à indústria do queijo, entre os pronafianos da região semi-árida do sertão central cearense , em 2016?

Veja que além de ser muito fácil de achar, o problema de pesquisa é uma excelente ferramenta para testar se o seu tema está bom ou não.

Se o seu tema não tem como se transformar em pergunta, eu lamento, mas ele ainda não está pronto!

Os objetivos, acredite, também se originam no tema. Você vai precisar de um objetivo geral e de alguns objetivos específicos (normalmente serão 03, pelo menos).

Objetivo Geral

Vamos começar pelo objetivo geral. O objetivo geral nada mais é do que o tema, precedido de um verbo no tempo infinitivo. Para o exemplo acima, o objetivo geral seria:

Descobrir o impacto econômico da seca para a produção pecuária, em relação à indústria do queijo, entre os pronafianos da região semi-árida do sertão central cearense , em 2016”.

Em suma, tema, problema e objetivo geral são 03 formas diferentes de perceber o mesmo objeto.

Objetivos Específicos

E os objetivos específicos? Eles também são oriundos do tema.

Lembra que eu disse que o seu tema deve ser composto por um assunto geral, um ponto de vista e uma palavra de ligação?

Pois bem, o assunto geral servirá para  primeiro objetivo específico . O  ponto de vista  para o  segundo objetivo específico . E a  palavra de ligação  para o  terceiro objetivo específico .

Veja como é fácil, você deve adotar a mesma sistemática do objetivo geral para os específicos. Você só precisa encontrar um verbo no tempo infinitivo para preceder cada parte do seu tema.

Exemplo de Objetivos Específicos para Projeto de Pesquisa Científica

Vamos continuar usando o mesmo exemplo já mencionado acima:

Objetivo específico 01  Descrever  o fenômeno da  seca  na região semi-árida do sertão central cearense, em 2016;

 Objetivo específico 02  Identificar  os dados históricos  produção pecuária  dos pronafianos na indústria do queijo;

 Objetivo específico 02  Comparar  os  resultados econômicos  da  produção pecuária atual  dos produtores analisados  e os do período anterior  ao ciclo atual de seca.

Você concorda que esses 03 objetivos específicos representam as 03 etapas a serem percorridas até que o objetivo geral seja finalmente atingido?

Primeiro, o pesquisador irá descobrir as características da seca que estava acontecendo em 2016. Isso o ajudaria a conhecer seus efeitos e supor qual foi o período anterior a ela.

Depois, o pesquisador iria descobrir qual foi a produção pecuária do público estudado, naquela região, nos últimos anos.

Por fim, o pesquisador iria relacionar o que descobriu nos dois primeiros objetivos, a fim de contrastar esses resultados com os dados econômicos daquele mercado.

Assim, ele conseguiria, finalmente, descobrir qual foi o impacto econômica da seca para aquelas pessoas, naquela região.

Você pode observar, também, que nós já teríamos os 03 capítulos desse TCC.

Os dois primeiros seriam teóricos, formando o referencial teórico sobre a seca e a produção pecuária dos pronafianos. O terceiro capítulo seria a análise dos resultados obtidos, pelo prisma mais empírico, constituindo um estudo de caso.

ebook temas para TCC.pdf

Hipótese

Por fim, no encerramento da introdução você deve lançar pelo menos uma hipótese. Hipótese é um possível resultado para a sua pergunta, uma eventual resposta do problema.

Você precisa ser responsável ao estabelecer uma hipótese, pois estará se comprometendo com o leitor a testá-la no seu TCC.

Para o tema que estamos usando como exemplo, você poderia considerar a seguinte hipótese:

A seca inviabilizou economicamente a produção pecuária para a indústria do queijo na região semi-árida do sertão central cearense, em 2016, tendo em vista que elevou os custos de produção dos pronafianos a um patamar impossível de viabilizar a competitividade deles com os preços de mercado.

Perceba, nesse caso, que no segundo e no terceiro capítulos do TCC o pesquisador teria de algum modo inserir informações e análises sobre os preços de mercado do queijo, a fim de viabilizar o teste dessa hipótese.

Referencial Teórico

O referencial teórico do projeto de pesquisa não deve ser o mesmo que estará no TCC. Na verdade, no projeto de pesquisa pronto só deve existir o que as pessoas chamam de “estado da arte”.

Quer dizer, é o conhecimento básico que o pesquisador já conseguiu coletar, antes mesmo de iniciar o trabalho de pesquisa com maior profundidade.

Isso significa que no referencial teórico do projeto de pesquisa você deve inserir algumas citações, fazendo um panorama mais básico sobre o assunto e o ponto de vista. Algo como seus conceitos, sua características e sua classificação, por exemplo.

É bom que você saiba que existe uma enorme diferença entre o referencial teórico do TCC pronto e o referencial teórico do projeto de pesquisa.

O referencial teórico do TCC pronto serve para você extrair resultados. Quer dizer, pequenas conclusões sobre o assunto e o ponto de vista, que servirão de premissa para você depois testar a hipótese e solucionar o problema.

Referencial Teórico no Projeto de Pesquisa Científica

Já o referencial teórico do projeto de pesquisa serve para você levantar pendências. Quer dizer, informações que você ainda não sabe, mas que são importantes para testar a hipótese e solucionar o problema.

A ideia aqui não é descrever por completo a teoria sobre o seu tema de pesquisa. No entanto, oferecer algum indicativo para que o leitor saiba mais ou menos sua visão inicial sobre a parte teórica do TCC.

Em suma, o referencial teórico do projeto de pesquisa serve para você mostrar que não está dando um tiro no escuro, que já sabe alguma coisa e já leu pelo menos um pouco sobre o seu tema.

Metodologia

Em seguida, você deve informar no projeto de pesquisa qual é a metodologia a ser utilizada na elaboração do TCC.

A metodologia científica a ser adota num TCC pode ser classificada quanto à finalidade, objetivos, abordagem, método e procedimentos.

Quer dizer, seu TCC deverá ser enquadrado em pelo menos 05 tipos de pesquisa. É muito importante que você diga quais são eles e os motivos pelos quais você os escolheu, pois isso vai ajudar a passar um “raio x” do seu trabalho.

Acredite, metodologia científica não é um assunto difícil, nem trabalhoso. Só é um pouco extenso. Por isso, preparei um super artigo sobre isso, com absolutamente todas as informações que você precisa. Para acessar, clique aqui.

Se você preferir, no meu canal no Youtube tem uma playlist dedicada exclusivamente a te explicar como classificar sua metodologia científica. Para acessar, clique aqui.

Quer um conselho? Dedique 02 horas da sua vida para ler esse artigo e assistir esses vídeos que indiquei acima e NUNCA MAIS NA SUA VIDA tenha qualquer problema com metodologia.

Recursos

Continuando, você deve indicar os recursos que serão necessários, para que seu TCC saia do projeto e se concretize como uma pesquisa científica.

Inicie informando quais são os recursos humanos envolvidos. Quantos pesquisadores serão necessários? Haverá pessoas sendo analisadas? Haverá entrevistas, questionários, reuniões? Quando você vai fazer isso? Onde? Com quem?

Depois, cite os recursos materiais e financeiros que vai precisar. Material de consumo, todos os TCC precisam, tais como papel, tinta de impressora, etc. Você vai necessitar de algum equipamento? Também, inscrições em eventos, deslocamentos, serviços de terceiros como revisão de português, encadernação, etc.

Por fim, mencione os recursos científicos. Será necessário fazer algum experimento? Encontrar livros, artigos, documentos?

Cronograma

Outro aspecto essencial do seu projeto de pesquisa é o cronograma. Sem dúvidas, você tem uma data limite para entregar ou apresentar seu TCC. Também tem a data de início, que é exatamente o dia em que você estiver escrevendo o projeto de pesquisa.

Portanto, comece seu cronograma com esses dois marcos: a elaboração do projeto de pesquisa e a entrega (ou apresentação) do TCC.

Além disso, tem alguns marcos importantes, tais como a introdução, cada capítulo do desenvolvimento, coleta de dados para estudo de caso, qualificação, conclusão, formatação, revisão ortográfica, etc.

O ideal aqui é conhecer o cronograma da sua faculdade, de modo que o seu possa ser a adaptado a ele de forma harmônica.

Com isso, a parte textual do seu projeto de pesquisa já estará pronta. Você deverá partir, então, para a elaboração da parte pós-textual.

Você já terá a essência do projeto, com as informações necessárias para descrever o planejamento do TCC. Restará, então, preparar os elementos pós-textuais e pré-textuais.

Referências Bibliográficas

As referências bibliográficas são o único elemento obrigatório da parte pós-textual. Sua importância é tanta que a ABNT desenvolveu uma norma própria para as referências, qual seja a Regra ABNT – NBR 6023.

Referências bibliográficas são o conjunto de todas as obras que forneceram conteúdos para a pesquisa. Nessa parte do trabalho, você deve viabilizar a identificação, localização e consulta dessas obras pelos seus leitores.

No futuro, vou escrever um artigo apenas sobre as referências bibliográficas, pois se trata de um assunto extenso. Para você ter ideia, a Regra ABNT NBR 6023 contém 24 páginas! Portanto, não é algo que dá para exaurir detalhes em poucas linhas.

Porém, há um padrão que você pode usar como ponto de partida para fazer suas referências bibliográficas. De acordo com a NBR 6023:2002, existem elementos essenciais e complementares da referência bibliográfica.

Os elementos essenciais, como você já deve estar supondo, são aqueles que não podem faltar nas suas referências bibliográficas. Eles estabelecem um modelo geral que pode ser complementado por outras informações, dependendo do tipo e formado da obra citada.

Como fazer as referências bibliográficas

De um modo geral, as referências bibliográficas deve conter:

Nome do autor;

Título da obra;

Edição;

Cidade;

Editora;

Ano de Publicação.

Você deve começar com o sobrenome do autor (em letras maiúsculas), depois fazer uma vírgula e informar o nome do autor. Os outros nomes, se houver mais de um autor, devem vir depois, sempre separados com vírgula.

Em seguida, aparece o título da obra (em negrito). Junto ao título, você insere dois pontos e o subtítulo da obra, se houver.

Por fim, deve vir a informação sobre a edição da obra referenciada. Também, o lugar da publicação (cidade), separando com dois pontos, o nome da editora e o ano da publicação.

No final, você deverá ter algo mais ou menos como esse exemplo (fictício):

FONTENELLE, André Luiz Moreira. Como fazer um projeto de pesquisa: conhecendo o passo a passo. 3. ed. São Paulo: Internet Editora, 2017.

É certo, contudo, que há mais dados que podem ser informados nas referências. Mas eles só serão obrigatórios eventualmente, conforme o tipo de obra que você consultou. Veja alguns deles:

Página;

Endereço do Link;

Data de Acesso;

Tipo de Mídia;

Coleção ou Revista;

ISSN.

Minha dica é que você não se assuste muito com as referências bibliográficas. Colete apenas as informações que estiverem disponíveis nas obras que consultar e use as informações que tiver. Não perca tempo procurando dados catalográficos que não estejam a mão.

Anexos e Apêndices

Além disso, a parte pós-textual do projeto de pesquisa contempla os famosos anexos e apêndices. Também existe uma norma para conceituá-los, a REGRA ABNT – NBR 14724.

Resumidamente, ambos são documentos ou textos usados no projeto de pesquisa, mas que não estão disponíveis ao grande público. Por isso eles devem ser juntados ao projeto.

A diferença é que o apêndice foi feito por você e o anexo é de autoria de terceiros.

Por exemplo, se você elaborou uma planilha necessária ao entendimento do seu projeto de pesquisa, isso é um apêndice. Esse documento deve estar contido no projeto, pois nenhum leitor terá acesso a ele, se você não o fornecer. O mesmo raciocínio deve ser aplicado aos anexos.

Acho que eu nem preciso te dizer que nem o apêndice e nem o anexo devem estar já inseridos na parte textual, não é? Isso seria uma redundância e serviria apenas para inchar o seu projeto de pesquisa.

Depois de fazer as referências bibliográficas, seu projeto de pesquisa deverá estar quase pronto. Ficarão faltando alguns detalhes úteis para a identificação e organização do projeto.

Para isso, existem os elementos pré-textuais, que irão informar os dados básicos do projeto e seu conteúdo. Mas não se preocupe, apenas 02 elementos são obrigatórios na parte pré-textual: a folha de rosto e o sumário.

Mesmo assim, vou falar um pouco de todos os elementos, pois é muito comum que as pessoas tenham dúvidas sobre eles.

Capa

A capa é um elemento opcional. Na verdade, segundo a REGRA ABNT – NBR 14724, ela está na parte externa do projeto de pesquisa. Na prática, podemos afirmar, contudo, que ela estaria junto da parte pré-textual. Em regra, a capa deve conter:

O nome da instituição de ensino superior;

O nome do autor;

O título;

O subtítulo (se houver);

O local (cidade) da entidade;

O ano da entrega.

As informações devem ser inseridas nessa ordem acima, devendo ser observados apenas alguns aspectos.

Primeiro, você deve inserir “dois pontos” depois do título, para depois digitar o subtítulo. Segundo, no caso de cidades que tenham o mesmo nome, é recomendável que seja inserida a sigla do estado.

Folha de Rosto

Além disso, há a folha de rosto, que é obrigatória em um projeto de pesquisa. Ela deve conter:

O nome do autor;

O título;

O subtítulo (se houver);

O tipo de projeto de pesquisa;

O nome da instituição de ensino;

O nome do orientador;

O local (cidade) da entidade;

O ano da entrega.

Além disso, se a instituição de ensino exigir, deve haver, também os dados curriculares do autor.

Na folha de rosto, devem ser observados os mesmos aspectos que mencionei em relação à capa para os subtítulos e o local da entidade.

Perceba que a folha de rosto pode substituir tranquilamente a capa, por isso ela é obrigatória e a capa, facultativa.

Lista de Abreviaturas e Siglas

A lista de abreviaturas é outro elemento facultativo da parte pré-textual. É a relação, em ordem alfabética das siglas e abreviaturas que você usou no texto, com as respectivas palavras ou expressões que a representem por extenso.

Por exemplo:

ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas

Coop. Cooperativa

A lista de abreviaturas pode ser muito útil se o seu texto contiver muitas siglas e, principalmente, muitos termos técnicos abreviados.

Há ainda a Lista de Símbolos, que segue o mesmo padrão da lista de abreviaturas. A diferença, entretanto, é que ao invés de mencionar as siglas e abreviaturas, você vai mostrar os símbolos eventualmente utilizados.

Lista de Ilustrações

Outro elemento facultativo da parte pré-textual é a Lista de Ilustrações. Facultativo em termos, por que se o seu trabalho contiver ilustrações, naturalmente você terá de listá-las em algum lugar.

Então sua opção será em ter ilustrações no projeto de pesquisa e não em elaborar a Lista de Ilustrações.

A ordem das ilustrações na lista deve ser a mesma em que elas aparece no texto.

A apresentação da lista se dá com o nome de cada ilustração, que se dá pela palavra “quadro”, com o respectivo número de ordem. Por exemplo: “Quadro 1”.

Depois do nome da ilustração, você deve colocar um travessão e em seguida seu título, com o número da página para completar. Seguindo esse padrão, você pode chegar ao seguinte exemplo:

Quadro 1 – Processo de circulação de ingressos econômicos entre a sociedade e seus membros 7

Se o seu trabalho tiver muitas ilustrações e de variadas espécies, o recomendável (não obrigatório) é que você faça uma lista para cada tipo de ilustração.

Nesse caso, poderia haver uma lista para desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos, etc.

Há, também, a possibilidade de inserir uma lista de tabelas, que seguirá o mesmo padrão da lista de ilustrações, sendo também opcional. Por exemplo:

Tabela 1 – Detalhamento de ingressos e rateios por sócio 12

Sumário

Por fim, há o sumário. Esse elemento, além de ser obrigatório, é muito importante, pois ele representa uma espécie de mapa indicativo do conteúdo do projeto de pesquisa.

Tal é sua importância, que foi criada uma norma própria pala ele: a REGRA ABNT NBR 6027. Mesmo assim, não existe muito mistério para sua elaboração, havendo apenas algumas regras gerais bem simples:

A palavra “sumário” tem de aparecer centralizada, no topo da página;

Devem constar do sumário apenas os elementos textuais e pós-textuais;

A indicação das seções do sumário devem estar alinhadas à esquerda;

Os títulos e subtítulos (caso existam) devem estar logo em seguida aos indicativos de suas seções;

Cada seção pode ser paginada de acordo com o número de sua primeira página ou pelos números das páginas (Ex. 23) de início e fim, separadas por hífen (Ex. 23-37).

Enfim, não tem muito o que fazer, não é!

Conclusão

Parabéns! Você chegou ao final do artigo e agora já tem todas as informações que precisa para deixa seu projeto de pesquisa pronto.

O que é projeto de pesquisa?

Na primeira parte do texto, você descobriu o que é um projeto de pesquisa, conheceu suas principais características e quais são suas finalidades. Tenho certeza que depois disso, você percebeu o quanto é importante dar atenção ao projeto de pesquisa na sua jornada do TCC.

Projeto de Pesquisa ABNT

A segunda parte foi sobre a relação projeto de pesquisa ABNT. Nessa parte do artigo você conheceu a ABNT e um pouco de como ela funciona. Também descobriu que a ABNT criou uma norma especial para o projeto de pesquisa, que é a NBR 15.287, de 17/04/2011.

Estrutura de um projeto de pesquisa científica

Depois, você descobriu como deve ser a estrutura de um projeto de pesquisa científica. Agora, você sabe que um projeto de pesquisa pronto tem uma parte externa e uma interna.

Na parte interna, é possível haver a capa e a lombada. Já na parte interna, você agora sabe que ela se divide em três: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.

Por onde começar?

Continuando, eu te mostrei qual deve ser o primeiro passo que você deve dar, qual seja a escolha do tema.

ebook temas para TCC.pdf

Também te mostrei as perguntas essenciais que todo projeto de pesquisa científica deve responder.

Com isso, você já tem condições de fazer um bom planejamento antes de começar a escrever o primeiro parágrafo do seu projeto de pesquisa científica. Posso dizer que essas perguntas são uma espécie de vacina, que vão te deixar imune ao famoso e temido “branco” na hora de escrever.

Projeto de Pesquisa Passo a Passo

Por fim, você chegou à quinta e mais importante parte do texto, que foi o projeto de pesquisa passo a passo. Você descobriu como deve produzir cada elemento do projeto de pesquisa e conheceu os detalhes mais importantes que deve observar.

O mais importante é que agora você sabe a ordem em que deverá escrever cada parte do projeto de pesquisa. Seu trabalho vai ficar muito mais fácil, pois cada trecho que você escrever te ajudará a escrever o parágrafo seguinte.

O seu projeto de pesquisa pronto vai sair rápido e ficará muito bem feito depois dessa avalanche de dicas!
[/sociallocker]

Só mais uma coisa…

Se você leu todas essas 5.246 palavras, tenho certeza que esse artigo vai te ajudar muito!

Acredite, não há na internet nenhum guia tão completo como esse que você teve a sorte de ver! Então, por favor, COMPARTILHE esse post nas suas redes sociais e me ajude a levar esse conhecimento para quem precisa.

Isso é muito importante para mim e é a melhor forma de você me dizer obrigado!

E se você tiver ainda qualquer dúvida, não hesite em escrever suas perguntas nos comentários! Quem sabe eu não te ajudo mais ainda?

Um abraço e até breve!

Professor André Fontenelle

Categorias
Como fazer um TCC Metodologia Científica

Metodologia científica: Como definir os tipos de pesquisa do seu TCC?

Metodologia científica: Como definir os tipos de pesquisa do seu TCC?

Metodologia científica, projeto de pesquisa, tipos de pesquisa científica… afinal, o que é metodologia? O que é pesquisa? Como fazer uma metodologia para TCC?

Essas são algumas das principais dificuldades que os estudantes têm na época de elaborar o TCC.

Muitas vezes, eles ficam sem saber ao certo o que os avaliadores esperam do seu Trabalho de Conclusão de Curso. Ao mesmo tempo, são pressionados pelo prazo curto.

Isso acontece por que, no Brasil, o sistema educacional não privilegia o estudo científico desde o início da formação do indivíduo. O foco maior infelizmente é na memorização de conceitos.

Mas a metodologia da pesquisa científica não é nenhum “bicho de sete cabeças”, ao contrário, representa um conjunto de conceitos e regras bem simples.

A metodologia está para a pesquisa assim como as placas de trânsito estão para a condução de veículos.

Você pode saber controlar bem um veículo, mas dificilmente será um bom motorista se não entender as placas de trânsito. De igual forma, você pode saber escrever muito bem, porém jamais desenvolverá uma investigação científica se não dominar os métodos.

O que você vai encontrar nesse artigo?

[toc]

Depois de ler esse artigo até o final, o quesito método não será mais um obstáculo.

Minha pretensão aqui não é aprofundar nenhum dos conceitos, nem falar de todas as metodologias possíveis. O que você está recebendo é um guia prático, focado na escolha e na explicação sobre os métodos do seu TCC.

Ao final, você terá condições de estabelecer os métodos para o seu projeto de pesquisa e se concentrar apenas no desenvolvimento do seu texto.

ebook temas para TCC.pdf

O que é pesquisa? O que é metodologia científica?

Já vi muita gente boa dizendo que investigação científica seria o procedimento voltado à produção de novos conhecimentos. De fato, essa afirmação não é totalmente errada, o erro está em pensar que é só isso!

É importante lembrar que, além da ciência, existem outros tipos de conhecimento: o popular, o filosófico e até o teológico. Além disso, essa ideia acaba encobrindo os elementos que efetivamente caracterizam uma exploração científica.

Elementos necessários de toda investigação científica

É a exploração que parte da existência de um problema e utiliza métodos científicos para chegar a uma conclusão.

Me arrisco a afirmar que, se pelo menos um desses elementos estiver faltando, não haverá exploração científica, mas, tão somente, uma redação simples.

O que é pesquisa científica?
O que é pesquisa?

Toda exploração científica parte da inquietação do autor diante de um problema.

A partir daí, ele busca coletar informações que considere úteis, a fim de organizá-las, analisá-las, colher resultados e, com isso, buscar respostas para o problema.

Mas o simples fato de alguém buscar a solução para um problema, não significa necessariamente que exista uma exploração científica.

Para evidenciar o desenvolvimento científico, é necessária a observação criteriosa dos fatos e fenômenos, com o teste de hipóteses e resultados comprovadamente verificáveis.

Quer dizer, se outro autor utilizar os mesmos métodos, para os mesmos testes, deverá obter os mesmos resultados.

Para que isso aconteça, os métodos utilizados numa devem ser reconhecidos pela ciência.

É possível afirmar que método é um procedimento, uma técnica ou simplesmente um modo de fazer algo.

Por outro lado, método científico é aquele que já foi analisado, testado e tido reconhecida como próxima da exatidão, para um determinado objetivo.

A importância do método

Já a metodologia é o estudo dos métodos reconhecidos pela ciência como sendo mais adequados para a execução de uma investigação.

O que é metodologia científica?
Conceito

Se o autor não evidenciar que utilizou corretamente a metodologia da pesquisa científica, não haverá nenhuma garantia de que seu texto não contenha meramente suas opiniões pessoais, crenças e valores morais.

Um texto sem cuidados metodológicos pode revelar saber empírico, mas jamais será ciência, por que não passará de um compêndio de conhecimentos populares, filosóficos ou teológicos.

Quer dizer, sem o domínio dos tipos de metodologia, a chance de um examinador desvalorizar seu trabalho e até provocar sua reprovação é, simplesmente, gigante.

Então, você precisa dominar os métodos do seu TCC, pois, o uso correto dos métodos é o que traz credibilidade para que os resultados sejam considerados verdadeiros .

Você compreende o tamanho do risco envolvido e a importância disso?

Por isso mesmo é que você precisa aprender um pouquinho de metodologia para conseguir aplicar os métodos científicos corretamente.

Vamos começar, então, descobrindo quais são os principais procedimentos e como eles são classificados.

Como são classificados os principais métodos

Como vimos, um dos ingredientes para a elaboração de um TCC bem sucedido é a descrição correta dos métodos utilizados.

Isso por que sua identificação servirá para informar aos avaliadores os limites técnicos de sua investigação científica, limitando as exigências deles ao que você se comprometeu a fazer.

Mas para isso, você precisa saber como selecionar os melhores métodos para a busca de uma solução para o seu problema, o que somente será possível quando você compreender sua classificação.

Então vamos lá!

Particularmente, eu classifico em duas grandes classes: os elementos essenciais e os elementos complementares.

Elementos de metodologia científica
Elementos

Elementos essenciais da metodologia do trabalho científico

Essenciais são os elementos mínimos para a completa descrição do trabalho, identificando qual é sua finalidade, seus objetivos, sua abordagem, seu método e seus procedimentos.

Elementos complementares da metodologia do trabalho científico

Complementares são os elementos que adicionam detalhes e esclarecimentos aos elementos essenciais, explicando quais são as unidades de análise, os instrumentos de coleta de dados, as variáveis e dimensões consideradas e as etapas desenvolvidas.

Classificação da metodologia científica
Classificação dos métodos

Como usar esses métodos?

Então, obrigatoriamente, você terá de fazer uma análise do seu TCC e identificar como ele se enquadra.

Isso significa que você terá de classificar seu trabalho acadêmico por pelo menos 05 critérios, relativamente aos seus elementos essenciais (finalidade, objetivos, abordagem, método e procedimentos).

Além disso, dependendo dos elementos essenciais que você escolher e da forma como for usá-los, é possível que surjam outros elementos.

Nesse caso, você precisaria ter atenção aos elementos complementares (unidades de análise, os instrumentos de coleta de dados, as variáveis e dimensões consideradas e as etapas desenvolvidas).

Mas não vamos nos preocupar com isso agora. No futuro, quando for te ensinar , por exemplo, como fazer estudos de caso, entrevistas e questionários, irei apresentar alguns artigos específicos sobre os métodos complementares.

Entretanto, você não conseguirá fazer a classificação metodológica do seu TCC corretamente, se não conhecer pelo menos a caracterização dos principais procedimentos de investigação.

Então, leia atentamente o próximo capítulo, que traz a caracterização básica, resumida e simplificada dos mais comuns tipos e métodos.

Metodologia TCC: tipos de pesquisa, características e modos de utilização

A proposta desse artigo, como dito desde o início, não é aprofundar os conceitos, mas oferecer um guia prático para que você saiba os métodos que irá usar e como fazer isso corretamente.

Seguindo essa linha, a seguir você encontrará os principais tipos e métodos de pesquisa, com as características que os individualizam e modos de utilização.

Lembre-se que o domínio desse conteúdo será determinante para o sucesso do seu TCC. Por isso, se ao final ainda houver alguma dúvida, deixe uma pergunta no formulário de comentários, que está logo abaixo do texto.

Tipos de Pesquisa
Classificação dos tipos de metodologia

Elementos essenciais: Quanto à finalidade

Essa é uma das mais tradicionais e também mais simples formas de classificação da investigação.

Quanto à finalidade, a exploração pode ser básica ou aplicada. Já a básica, pode ser pura ou estratégica.

Pesquisa Básica

É aquela em que se busca apenas aprofundar o conhecimento disponível na ciência.

Isso é feito para preencher a ausência de estudo sobre algum aspecto que ainda não foi completamente abordado, relativamente a um assunto específico.

Normalmente, são textos caracterizados pela a análise de conceitos e sistematização de ideias. Na básica, não se busca a transformação da realidade, apenas do saber.

Ela é usada em estudos predominantemente teóricos e cujo problema não seja relacionado diretamente com uma situação específica.

Porém, se for fazer uma investigação básica, você terá de definir (e deixar claro no texto do seu TCC), se ela será pura ou estratégica.

Básica Pura

Na básica pura o autor não parte de uma situação específica e não demonstra interesse nos possíveis benefícios decorrentes de seu estudo.

Nesse caso, a finalidade do trabalho é puramente teórica, com o único objetivo de expandir o conhecimento disponível. As recomendações, se houverem, serão apenas voltadas ao debate acadêmico, propondo novas questões.

Básica Estratégica

Na básica estratégica o autor não parte de uma situação específica, que ele pretenderia resolver na prática. Porém, ele busca desenvolver conhecimentos que possam eventualmente ser utilizados para a solução de problemas conhecidos.

Essa será a sua escolha se você não buscar resolver diretamente um problema prático e identificado no trabalho, mas propor recomendações úteis para resolver problemas conhecidos.

Pesquisa Aplicada

Aplicada é aquela em que o autor busca fazer um estudo científico voltado a solucionar algum problema específico, que já é conhecido e demonstrado no texto do trabalho.

Desse modo, ela não serve apenas para gerar um novo conhecimento, aumentando o que já está disponível, mas, também para aplicá-lo na prática, intervindo no mundo real.

Normalmente, parte-se de conhecimentos já desenvolvidos em investigações básicas anteriores para aplicá-los na prática.

Ela deve ser usada quando você partir de um problema prático e tiver como finalidade, por exemplo, melhorar algum processo, comportamento ou produto.

Pesquisa básica pura, Pesquisa básica estratégica e Pesquisa Aplicada
Pesquisa básica pura, básica estratégica e Aplicada

Elementos essenciais: Quanto aos objetivos

[sociallocker id=”14197″]
A segunda forma de caracterização dos estudos científicos é quanto aos objetivos. No entanto, tenha cuidado, pois essa classificação não trata dos objetivos gerais e específicos, vistos no artigo anterior, mas dos seus propósitos gerais.

Quanto aos objetivos, sua investigação deverá ser classificada como descritiva, exploratória ou explicativa.

Pesquisa Descritiva

Objetiva retratar as características do objeto estudado, expondo com precisão os fatos ou fenômenos, para estabelecer a natureza das relações entre as variáveis delimitadas no tema.

ebook temas para TCC.pdf

É, provavelmente, o tipo mais comum nos cursos de Direito, Contabilidade e Administração, pois nessas áreas o conhecimento já está bastante sistematizado, não havendo muito espaço para explicação ou exploração.

Normalmente, parte-se de um problema constatado em alguma realidade, natural ou cultural, coleta-se informações, bibliográficas ou não, analisa-se as variáveis envolvidas e propõe-se recomendações.

Esse, por sinal, é o padrão em TCC’s, no âmbito da graduação, embora também seja muito usado na pós-graduação.

Provavelmente, seu trabalho acadêmico será descritivo. Você vai usá-la quando buscar expor, classificar e interpretar fatos ou fenômenos, fazendo a análise mais precisa possível, sem interferir pessoalmente nos dados coletados.

Pesquisa Exploratória

Tem como objetivo identificar melhor, em caráter de sondagem, um fato ou fenômeno, tornando-o mais claro e propor problemas ou até hipóteses.
É uma investigação quase pioneira, inovadora, criativa e cabível em relação a assuntos cujo conhecimento seja bem pouco desenvolvido.

Claro, esse ineditismo tem de ser evidenciado em relação a toda a ciência e não apenas na ótica do autor.

É um tipo bastante flexível, podendo ser realizada de forma bibliográfica mesclada com entrevistas e análise de exemplos, por exemplo.

Você vai usá-la quando, havendo pouco conhecimento científico sobre um assunto, estudar a realidade prática para descrever situações reais, estabelecer variáveis ou encontrar outros problemas.

Pesquisa Explicativa

Visa encontrar os fundamentos que dão ensejo a um fenômeno, quer dizer, buscar a razão, o motivo, a causa e o efeito das coisas.

É muito provável, caso você não seja um doutorando ou pelo menos um mestrando, que seu TCC não seja explicativo.

Isso por que esse é o tipo mais complexo e, na maioria dos casos, representa a continuação de uma investigação descritiva.

Você vai usá-la quando desenvolver um conhecimento completamente novo sobre algo, desvendando um “porquê” relativo ao objeto estudado, normalmente em pesquisa experimental, observacional ou ex post facto.

Pesquisa Descritiva, Pesquisa Exploratória e Pesquisa Explicativa
Pesquisa Descritiva, Exploratória e Explicativa

Elementos essenciais: Quanto à abordagem

A terceira forma de classificação é quanto à abordagem, podendo ser qualitativa, quantitativa ou mista (quali-quantitativa).

Abordagem Qualitativa

Se você está fazendo um TCC na graduação, especialmente na área de ciências humanas, provavelmente seu TCC tem abordagem qualitativa. Mas, o que é pesquisa qualitativa?

Nela, o autor é ferramenta essencial, pois é ele quem faz a análise dos dados coletados, buscando os conceitos, princípios, relações e significados das coisas.

A abordagem qualitativa tem, pois, caráter subjetivo, tendo em vista que o critério para a identificação dos resultados não é numérico, exato, mas valorativo.

Ainda que eventualmente se utilize alguns números, normalmente ela é aplicada a populações pequenas, que não viabilizam uma análise estatística.

Abordagem Quantitativa

Já a abordagem quantitativa se caracteriza pelo uso de ferramentas e técnicas estatísticas, para a análise dos dados. Isso é necessário para permitir a medição das relações entre as variáveis, de maneira estritamente numérica.

Desse modo, é possível identificar nos fenômenos apenas os dados quantificáveis, obtendo-se os valores médios e não as particularidades de cada objeto.

Na abordagem quantitativa, o autor adota uma atitude de observação, pois não cabe a ele interferir na análise dos resultados, apenas constatá-la. Essa tarefa, normalmente, é realizada por planilhas e sistemas de computador, dada a complexidade dos números.

Nela, a população estudada normalmente é grande, para viabilizar uma melhor representatividade numérica, minimizando eventuais desvios.

Por esse motivo, as conclusões são obtidas em grau de probabilidade, ao invés de certeza.

Você deve ter percebido que não é qualquer investigação que adota essa abordagem, não é? Normalmente, essa forma de especulação é adotada em mestrados ou doutorados, especialmente em ciências exatas ou sociais.

Abordagem Quali-quantitaviva

Por outro lado, mesmo que as duas abordagens, qualitativa e quantitativa, sejam absolutamente diferentes, elas não se excluem.

Desse modo, é possível que um estudo tenha uma parte cuja abordagem seja eminentemente qualitativa e outra preponderantemente quantitativa.

Caso isso ocorra, deverá ser caracterizada como quali-quantitativa.

Pesquisa Qualitativa, Pesquisa Quantitativa e Pesquisa Quali-Quantitativa
Pesquisa Qualitativa, Quantitativa e Quali-Quantitativa

Elementos essenciais: Quanto ao método

Além disso, a investigação pode ser classificada quanto ao método, que pode ser indutivo, dedutivo, hipotético-dedutivo ou dialético.

Essa classificação leva em consideração a forma de raciocínio lógico adotado, indução ou dedução, para a obtenção de uma conclusão a partir de premissas.

Método Indutivo

No método indutivo, o autor parte de observações específicas, para obter como conclusão uma premissa geral.

Por exemplo:

O cachorro tem pêlos (observação particular);

O gato tem pêlos (observação particular);

O cavalo tem pêlos (observação particular);

Então, todos os mamíferos são peludos (indução – premissa geral).

A indução se dá pela observação individual dos fenômenos, seguida pela identificação de coincidências entre eles e a consequente generalização.

Método Dedutivo

Já o método dedutivo é aquele em que o autor parte da observação de uma situação geral, para explicar as características particulares de um objeto individual.

Por exemplo:

Todas as frutas têm sementes (situação geral);

Laranjas e uvas são frutas (situação particular);

Então, laranjas e uvas têm sementes (dedução).

Enquanto a indução generaliza, a dedução particulariza.

No método dedutivo, a conclusão deve necessariamente ser verdadeira. Se a conclusão for falsa, com certeza uma das premissas também será.

Desse modo, no exemplo acima, caso laranjas ou uvas não tivessem sementes, ou elas não seriam frutas ou nem todas as frutas teriam sementes.

Já no método indutivo, é possível que as premissas sejam verdadeiras, mesmo com a conclusão falsa. No exemplo anteriormente citado, se cães, gatos e cavalos tem pêlos, há, apenas a probabilidade de que os mamíferos sejam peludos, mas não a garantia.

Método Hipotético-Dedutivo

O hipotético-dedutivo é um método de tentativas e erros, que consiste na formulação de hipóteses e tentativas de falseamento delas. Esse método não visa a verdade absoluta, pois parte da premissa de que o conhecimento absoluto não é alcançável.

Por isso, as hipóteses que não forem reprovadas não necessariamente serão verdadeiras, podendo ser submetidas a novos testes. A ideia é que a ciência descarte, num processo cíclico de estudos, todas as hipóteses falsas, fazendo o conhecimento se aproximar ao máximo da verdade.

O método hipotético-dedutivo funciona a partir de um problema. Em seguida, observando o objeto de estudo, o autor identifica pelo menos uma hipótese e passa a testá-la. Por fim, descarta-se as hipóteses reprovadas nos testes, obtendo conclusões sobre o problema.

Método Dialético

O método dialético, por sua vez, se caracteriza pelo confronto de ideias. Por ele, qualquer conceito definido como verdadeiro deve ser testado diante de outras ideias, a fim de que se obtenha uma nova teoria.

De um modo geral, o método dialético compreende 03 etapas: a tese, a antítese e a síntese.

A tese representa uma ideia inicial, preconcebida e tida até então como verdadeira. A partir dela, o autor propõe uma teoria contraditória à tese. Após o confronto de tese com a antítese, surge a síntese, como resultado da ponderação, gerando uma nova tese.

A nova tese se torna, então, o ponto de partida para outros estudos, favorecendo a existência de um ciclo dialético em busca do conhecimento.

Método Indutivo, Método Dedutivo, Método Hipotético-Dedutivo e Método Dialético
Método Indutivo, Método Dedutivo, Método Hipotético-Dedutivo e Método Dialético

Elementos essenciais: Quanto aos procedimentos

A quinta e mais abrangente forma de caracterização é quanto aos procedimentos. Essa classificação diz respeito à forma como os dados são coletados, como a análise é realizada e como os resultados são interpretados.

Quanto aos procedimentos, sua investigação deverá ser classificada como: Bibliográfica, Documental, Estudo de Caso, Experimental, de Campo, ex post facto, Levantamento, ação e Participante.

Vale salientar, entretanto, que todos esses procedimentos não são excludentes, isto é, há grande possibilidade de que se adote mais de um desses procedimentos.

Essa situação, se ocorrer, em nada prejudicará a metodologia adotada no TCC, ao contrário, a tornará mais rica.

Então fique atento a eles e não perca a oportunidade de comentar, no formulário abaixo desse texto, se ao final ainda tiver alguma dúvida. Também, se você tiver alguma crítica ou sugestão, por favor não deixe de comentar.

Pesquisa Bibliográfica

É o procedimento mais comum, estando evidenciado em provavelmente 100% dos TCC’s.

Mas, o que é pesquisa bibliográfica? Trata-se da investigação realizada tendo como fontes livros, artigos e outros textos de caráter científico já publicados.

Nesse tipo de investigação, de caráter predominantemente teórico, busca-se especialmente desvendar os relacionamentos entre conceitos, ideias e características de um objeto.

Realiza-se a comparação de várias posições sobre um problema, deixando o autor repleto de informações sobre aquele assunto. A partir daí, o autor compara os resultados, faz interpretações e constrói conclusões.

Mesmo que uma investigação tenha caráter empírico, adotando outros procedimentos, como o estudo de caso, por exemplo, sempre haverá uma parte teórica, caracterizando-se a especulação bibliográfica.

Também, é possível que ela seja unicamente teórica, mas nesse caso o autor deve estar muito atento à problematização do tema, para não cair na armadilha de escrever uma mera coletânea de conceitos.

ebook temas para TCC.pdf

Pesquisa Documental

É a que usa como fontes documentos que não tenham caráter científico. Considera-se documento qualquer objeto que contenha informação sobre um fato, fenômeno ou acontecimento.

Esse tipo de estudo usa textos de empresas e entidades públicas, cartas, diários, catálogos, jornais, revistas, certidões, escrituras, testamentos, fotografias, tabelas, imagens, relatórios contábeis, estatísticas, etc.

Estudo de Caso

Estudo de caso é uma investigação que visa retratar de forma profunda e exaustiva determinados aspectos de um indivíduo, população, organização, ambiente, situação ou fenômeno.

Por isso, não permite a generalização, quer dizer, nenhuma conclusão do autor pode extrapolar o âmbito do seu objeto de estudo.

A ideia é encontrar as principais particularidades de um caso que possam ser comparadas com outros casos, por quem vier a ler o texto. Assim, a eventual generalização só deve ser feita pelo leitor.

A vantagem desse procedimento é a possibilidade de concentrar a exploração no problema de uma única empresa, ou de um grupo de pessoas, por exemplo.

Além disso, não se exige métodos rígidos para a realização de um estudo de caso, podendo ser utilizadas entrevistas, questionários, documentos, etc.

Por vezes, o estudo de caso se faz com números do objeto estudado, porém, ao contrário do que se possa pensar, a investigação provavelmente será qualitativa.

Isso por que sua análise não é necessariamente estatística, restrita à verdade contida nos números. No estudo de caso o autor em regra realizará uma crítica aos dados coletados, para encontrar causas e eventuais soluções do problema.

Pesquisa Experimental

Ela é praticamente um padrão nas explorações de laboratório, é o procedimento em que se manipula variáveis para avaliar o impacto de uma sobre outra.

Normalmente separa-se dois grupos: um deles fica isolado, enquanto outro sofre a influência de uma determinada variável. Depois realiza-se uma comparação entre ambos os grupos, para avaliar o impacto da variável.

Imagine, por exemplo, que o autor busque descobrir qual é o impacto da ergonomia na produtividade dos profissionais de tecnologia.

Para isso, ele deverá procurar dois grupos desses profissionais, depois garantir o uso da ergonomia para um e para o outro evitá-lo. Em seguida bastará comparar os níveis de produtividade deles.

Mas a investigação experimental também pode se dar pela aplicação de uma variável sobre dois grupos. Nesse caso, busca-se verificar se o impacto entre elas é homogêneo.

Também, pode-se analisar o mesmo grupo, porém antes e depois do impacto de uma variável.

Por fim, é possível estudar dois grupos antes e depois do impacto de uma variável. Com isso é possível diferenciar as consequências que cada um pode sofrer.

Pesquisa ex post facto

É a que ocorre depois da ocorrência dos fenômenos.

Ela se parece com a experimental, por ser um experimento de volta no tempo. Mas elas são diferentes! De fato, na pesquisa ex post facto o autor não tem controle sobre todas as variáveis, pois elas já agiram.

A investigação ex post facto tem cabimento quando verifica-se, em momento futuro, que uma determinada variável influenciou algum objeto, sujeito ou fenômeno.

A variável de que não se tem controle pode ser a implantação de uma indústria, a realização de uma obra, a adoção de uma legislação numa cidade, por exemplo.

Nesse caso, o autor deveria encontrar uma cidade com as mesmas características e que não tenha sofrido a influência dessa variável.

A partir daí o autor conduz o “experimento”, comparando o impacto da existência e da ausência da variável nos dois objetos (ambas as cidades).

Pesquisa de Campo

É aquela em que o autor vai pessoalmente à realidade estudada e coleta, diretamente, os dados.

Esse método se contrapõe à exploração de laboratório, em que o autor tem controle pleno das variáveis. Na pesquisa de campo o objetivo é identificar os fenômenos no mundo natural, sem que o autor tenha qualquer controle sobre as variáveis.

Mesmo assim, como em todas os outros procedimentos, exige-se a realização de uma exploração bibliográfica sobre o assunto estudado.

Porém, o autor também precisa definir como coletará os dados. Também, qual será a amostra estudada, bem como a forma de registro e análise dos dados.

Pesquisa de Levantamento

É que visa conhecer os comportamentos de uma população. Esse procedimento é realizado mediante consulta direta às pessoas, normalmente por meio de questionários, por amostragem.

As análises de intenção de votos, por exemplo, são consideradas levantamentos.

O levantamento carece da utilização de técnicas estatísticas, caracterizando-se como quantitativa, de modo a permitir a generalização dos resultados.

Como é padrão nas pesquisas quantitativas, o levantamento não permite o detalhamento do fenômeno estudado, mas identifica seus aspectos gerais.

Pesquisa-ação

É a pesquisa de campo em que o autor pessoalmente se envolve. Ele age efetivamente sobre o mundo natural.

A característica principal dela, portanto, é a interferência do escritor para a mudança dos fenômenos.

O autor deve ser proativo na investigação. Ele deve propor ações e depois avaliar os resultados delas na população envolvida.

Desse modo, para realizar uma pesquisa-ação, o autor deve identificar um problema prático de uma comunidade. Em seguida, deve elaborar um projeto com ações para a solução desse problema. Por fim, restaria avaliar as mudanças ocorridas.

Pesquisa Participante

Ela se parece com a pesquisa-ação, por que o autor precisa interagir com a população estudada.

Porém, o autor não precisa realizar ações para interferir na realidade. Seu objetivo, na verdade, é proporcionar o conhecimento mais amplo possível do grupo por ele.

Para conseguir atingir esse entendimento profundo do grupo, o autor adota como estratégia se inserir e assumir um papel nele. A partir daí ele busca realizar exploração descritiva e qualitativa.

Desse modo, a população envolvida acaba não sendo apenas um objeto de estudo. Na verdade, as pessoas participam da análise, num processo de autoconhecimento.

A solução dos problemas envolvidos na investigação, então, não são monopólio do autor. De fato, são fruto da discussão com a população estudada.

"<yoastmark

ebook temas para TCC.pdf

Conclusão

A proposta deste artigo era oferecer um guia prático, focado na escolha e explicação da metodologia do seu TCC. A meta foi garantir que isso não seja mais obstáculo para você.

Então, me comprometi a explicar o significado de pesquisa e metodologia. Também, como se dá sua classificação, suas características e modos de utilização.

Conceitos

Você descobriu que pesquisa científica é a busca da solução de um problema com a utilização de métodos científicos.

Já a metodologia é o estudo dos métodos reconhecidos pela ciência e mais adequados.

Classificação

Depois, eu te expliquei que existem elementos essenciais e complementares, conforme assim classificados:

  1. Essenciais são os elementos mínimos para a completa descrição da investigação. Eles identificam qual é sua finalidade, seus objetivos, sua abordagem, seu método e seus procedimentos.
  2. Complementares são os elementos que adicionam detalhes e esclarecimentos aos elementos essenciais. Eles explicam unidades de análise, instrumentos de coleta de dados, variáveis e dimensões consideradas e etapas desenvolvidas.

Continuando, expliquei que os elementos complementares não seriam importantes nesse momento. Na verdade, o objetivo do artigo era ensinar você a classificar a metodologia do seu TCC.

Características

Então nos concentramos em entender os elementos essenciais, que dividimos em 05 categorias, conforme a seguir:

  1. Quanto à finalidade, a pode ser:
    1. Básica;
      1. Básica Pura;
      2. Básica Estratégica.
    2. Aplicada.
  2. Quanto aos objetivos, deverá ser classificada como:
    1. Descritiva;
    2. Exploratória, ou;
    3. Explicativa.
  3. A terceira forma de classificação é quanto à abordagem, podendo ser:
    1. Qualitativa;
    2. Quantitativa, ou;
    3. Mista (quali-quantitativa).
  4. Além disso, pode ser classificada quanto ao método, que pode ser
    1. Indutivo;
    2. Dedutivo;
    3. Hipotético-dedutivo, ou;
    4. Dialético.
  5. Por fim, quanto aos procedimentos, deverá ser classificada como:
    1. Bibliográfica;
    2. Documental;
    3. Estudo de Caso;
    4. Experimental;
    5. De Campo;
    6. ex post facto;
    7. Levantamento;
    8. ação, e;
    9. Participante.

[/sociallocker]

Considerações Finais

Agora que chegamos ao final, aposto que você já domina a técnica para definir a metodologia do seu TCC.

Essa era a proposta. Você não precisa ser um especialista em trabalho científico, precisa ser especialista apenas na seu próprio tema!

ebook temas para TCC.pdf

Mesmo assim, se você ainda tiver alguma dúvida… Reitero o convite para você deixar um comentário, logo ali abaixo do texto.

Além disso, peço a você que compartilhe esse artigo. Eu fiz com muita atenção a você e sugiro que você tenha a mesma atitude com as outras pessoas. Lembre-se: compartilhar é se importar com os outros!

Em breve postarei um novo artigo como esse. Se você cadastrar seu e-mail no blog, receberá um aviso por e-mail assim que eu tiver novidades.

Então, deixo o meu abraço e o meu convite para que você volte a visitar meu blog. Até breve!

Professor André Fontenelle

Categorias
Como fazer um TCC Introdução de TCC

Como fazer uma introdução de TCC

Como fazer uma introdução de TCC

TCC, monografia, projeto de pesquisa, normas ABNT, trabalhos acadêmicos… Nesse universo há uma dificuldade comum a quase todas as pessoas: Como fazer uma introdução de TCC?

Você deve ter visto no artigo anterior, sobre “Temas para TCC“, que só nesse ano mais de 1 milhão de pessoas vão ter de deixar o seu TCC pronto!

O sucesso dessa empreitada está relacionado com a aplicabilidade dos elementos essenciais na introdução de TCC pelos alunos concludentes de cursos superiores.

Compartilho da ideia de que elaborar uma excelente introdução é apenas uma questão de método.

Por isso, o objetivo geral desse artigo é esclarecer uma das coisas mais importantes sobre como fazer um TCC, que é justamente como fazer introdução de TCC.

O que você vai encontrar nesse artigo?

[toc]

Na primeira parte, você vai entender o que é TCC e por que sua introdução é tão crucial.

Depois, você irá conhecer os elementos que compõem a introdução de TCC.

Por fim, você irá ver as características e exemplos de cada um dos elementos da introdução de TCC, o que servirá de modelo para o seu próprio texto.

A ideia aqui foi produzir um guia técnico, não científico, porém redigido a partir do estudo da literatura sobre metodologia científica, aliado à minha larga experiência como orientador de trabalhos acadêmicos e integrante de bancas.

Quando terminar, você perceberá que os objetivos serão atingidos e irá descobrir, como fazer TCC, podendo elaborar uma pesquisa bem sucedida, sem retrabalho e sem sofrimento. Desde a primeira frase!

Você vai se arrepender se não ler até a última palavra!

Duvida? Você pelo menos percebeu que acabou de ler uma introdução completa?

Eu falei tudo, mas ainda não disse nada, não é? Então leia até o final e surpreenda-se ao perceber como é simples fazer uma introdução de TCC.

ebook temas para TCC.pdf

Por que a introdução de TCC é importante

O que é TCC 1
O que é TCC?

Trabalho de Conclusão de Curso ou simplesmente TCC é uma pesquisa científica obrigatória, exigida pelo Ministério da Educação como requisito para a conclusão de cursos de graduação e pós-graduação.

O objetivo é assegurar que todos os graduados tenham pelo menos iniciação no campo da produção científica.

Então, o TCC caracteriza-se também como a avaliação final para a conquista do diploma, realizada, normalmente, apenas uma vez em cada curso.

O TCC normalmente é desenvolvido individualmente por cada estudante, sob orientação de um professor, mas cada instituição de ensino pode desenvolver suas próprias regras, sendo possível sua elaboração em dupla ou em grupos.

Igualmente, o formato do TCC pronto varia bastante entre os diversos cursos e instituições, podendo se caracterizar como relatório, diagnóstico, projeto, artigo científico, monografia, etc.

O TCC deve ser escrito, mas é comum, também, que o estudante tenha de fazer uma apresentação oral para uma banca de examinadores.

Nesse sentido, é bom saber que qualquer evidência de plágio é considerada fraude acadêmica, motivo suficiente para reprovação do aluno.

Além disso, o TCC deve conter alguns elementos específicos e seguir uma rigorosa formatação, nos moldes definidos pelas normas ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

TCC

Por essas circunstâncias, o TCC acaba parecendo mais especial do que ele realmente é: um mero trabalho acadêmico, com qualquer outro, acrescido de algumas formalidades.

O que é TCC 2
O que é TCC?

É claro que o TCC não é um texto qualquer, mas a boa notícia é que não há enigma nenhum para sua elaboração.

Na verdade, a única coisa que diferencia o TCC de uma redação comum é que nele, o aluno identifica um problema relacionado a um assunto da sua área de conhecimento e depois faz uma pesquisa para tentar solucioná-lo.

O que é TCC 3
O que é TCC?

 

Estrutura básica do TCC

A Introdução da estrutura do TCC
A Introdução da estrutura do TCC

Por isso existe uma estrutura básica aplicável a todos os tipos de pesquisa científica. Aos poucos, quando dominar essa estrutura, você só vai precisar se concentrar no estudo do seu tema e mais nada.Num dos próximos artigos, vamos abordar com mais detalhe a estrutura do TCC, mas, de um modo geral, o TCC é formado por elementos:

Pré-textuais;

Textuais; e

Pós-textuais.

Os elementos pré-textuais são aqueles utilizados para identificar o autor, a pesquisa e também para mapear as demais partes do texto.

Normalmente, a parte pré-textual compreende, no todo ou em parte, conforme cada instituição: capa, folha de rosto, folha de aprovação, dedicatória, agradecimentos, epígrafe, resumo, sumário, listas de ilustrações, abreviaturas e siglas.

Os elementos pós-textuais são as partes que servem de apoio ao texto principal, fazendo remissão a ele (como a referências bibliográficas e o glossário) ou adicionando dados acessórios (tais como os apêndices e anexos).

Já os elementos textuais são aqueles que representam o TCC propriamente dito. Essa é a parte mais importante da estrutura do TCC pronto. Os elementos textuais são: a introdução de TCC, o desenvolvimento e a conclusão.

Sobre o desenvolvimento e a conclusão falaremos em outro artigo, já que o presente texto tem como objeto central a introdução de TCC.

Introdução de TCC

Você já foi ao cinema alguma vez e acabou vendo um trailer tão bacana que acabou tendo vontade de assistir outro filme que não estava nos seus planos?

Então saiba que um trailer nada mais é do que uma boa introdução, porém no formato de vídeo e, claro, nesse caso sem dar nenhum indicativo do final!

É por isso que a introdução de TCC é tão importante, ela é responsável pela primeira impressão que o leitor vai ter do seu texto. É a qualidade da introdução de TCC que vai definir se o leitor vai ler a sua pesquisa, ou não.

Você percebe a importância disso?

Introducao de TCC 1
Introdução de TCC

Agora, vou adicionar mais um argumento, torcendo para que meus colegas docentes não descubram o que eu irei falar:

Lembre que sua banca normalmente ocorrerá no final de um semestre, época das provas finais, com os professores super ocupados;

Imagine também que eles, talvez, irão receber dezenas de artigos ou monografias para avaliar em, provavelmente, menos de uma semana;

Agora responda:

Você acredita que eles irão ler todas as páginas de todos os trabalhos, com o mesmo cuidado?

Você acredita que o examinador irá aprovar um texto que ele achou tão ruim a ponto de não conseguir terminar de ler?

Qual a chance que você tem para mostrar ao avaliador que sua pesquisa é boa?

A Introdução no Cinema

Eu sei, você respondeu o mesmo que eu: fazer uma boa introdução de TCC é a oportunidade de ouro para você avançar muito em direção à aprovação!

Veja o trailer de um filme qualquer e veja como ele foi planejado:

Primeiro, alguma cena apresenta o enredo, atraindo sua atenção;

Depois é demonstrada rapidamente a trama;

Em seguida, há breves cenas de cada parte do filme;

Também, são sutilmente indicadas as principais técnicas usadas, como efeitos especiais, coreografias de lutas, fotografia, etc.;

Por fim, um breve gostinho de final, mas sem solucionar a trama.

A introdução de TCC vai seguir mais ou menos a mesma lógica, só que de uma maneira mais formal, por meio de alguns elementos específicos. Vamos conhecê-los?

Como fazer uma introdução de TCC

A principal razão do mito que se criou em torno do TCC é que a grande maioria do público acadêmico, incluindo muitos professores, desconhecem a estrutura básica que toda pesquisa científica deve ter.

A ignorância sobre essa estrutura faz com que a tarefa de escrever um TCC se torne muito mais árdua, demorada e ineficiente, pois como as pessoas ficam sem saber por onde começar e em que ponto devem chegar, acabam desperdiçando muito trabalho.

Em suma, todo TCC tem que ter introdução, desenvolvimento e conclusão, porém, mais importante que isso são os elementos que devem estar contidos em cada uma dessas partes.

Devo alertar, contudo, que omiti os elementos pré-textuais e pós-textuais, como o resumo e as referencias bibliográficas, por exemplo, bem como o desenvolvimento e a conclusão.

No futuro, tratarei deles com o devido cuidado, em artigos específicos, mas apenas no momento certo.

No entanto, especificamente em relação à introdução, é necessário saber que o seu TCC não pode ficar sem nenhum dos seguintes elementos:

Introdução

Introducao de TCC 2
Como fazer uma introdução de TCC

Justificativa

Apresentação do Tema

Problema

Objetivo Geral

Objetivo Específico 1

Objetivo Específico 2

Objetivo Específico 3

Metodologia

Prévia do Capítulo 1

Prévia do Capítulo 2

Prévia do Capítulo 3

Prévia da Conclusão

Esses elementos são fundamentais para garantir que sua introdução de TCC tenha, efetivamente, começo, meio e fim, demonstrando com clareza o escopo da pesquisa para o leitor.

Sua missão, nesse caso, é organizar esses elementos de tal maneira que o leitor fique instigado a continuar lendo a pesquisa.

O segredo para isso é apresentar as informações que você acredita que sejam as mais importantes da pesquisa, mas sem fechar os pontos, quer dizer, sem esgotar nenhum assunto.

Mas você só será capaz disso depois de compreender cada um dos elementos essenciais da introdução de TCC, o que vai acontecer no próximo capítulo.

Quando terminar, se esse artigo for útil para você, não deixe de compartilhá-lo nas suas redes sociais.

Exemplos de introdução de TCC

[sociallocker id=”14199″]
Quando tive que fazer um TCC pela primeira vez, me disseram que a introdução deveria ser a última coisa a se fazer.

Achei estranhíssima essa estratégia, mas acabei seguindo-a até perceber que ignorar a introdução de TCC é o erro mais grave que alguém pode cometer na elaboração de uma pesquisa científica.

Lembro que passei mais de um ano pesquisando, escrevendo e jogando textos fora. Escrevi dezenas de páginas que depois se mostraram inúteis para o meu trabalho, simplesmente por que eu não sabia o que precisava escrever.

Pesquisava e escrevia várias coisas relacionadas ao assunto do tema, mas que não contribuíam tanto para o meu problema. O aproveitamento dos textos era muito baixo e isso era decepcionante!

A orientação tradicional estava totalmente equivocada, desorganizando minha produção textual.

Lembro que eu me achava incapaz para aquela tarefa e me sentia muito desconfortável com ela, até acabar desistindo.

Lamentavelmente, perdi o título de especialista na minha primeira pós-graduação, por que não consegui terminar de escrever o TCC.

Entretanto, o fracasso serviu de aprendizado e, felizmente, consegui terminar a mesma pesquisa depois, em outro curso.

Você sabe qual foi a única diferença entre o fracasso e o sucesso para mim? Iniciar o TCC pelo começo! 

Depois que fiz a introdução do trabalho, minha estratégia de pesquisa estava pronta e eu sabia exatamente cada passo que teria de dar, sem tropeços.

Dica Importante

Foi impressionante conseguir desenvolver todo o texto em poucas semanas e depois receber vários elogios da banca pelo mesmo trabalho com que eu já tinha desperdiçado mais de um ano sem conseguir terminar.

Então, a primeira dica (e a mais importante de todas) é: Invista muito tempo e atenção para redigir sua introdução de TCC, pois ela vai direcionar todas as ações seguintes.

A maioria dos orientadores dizem que a introdução é a parte do texto que convida o leitor a ler o trabalho, mas eu te aviso que ela tem outra grande finalidade: estabelecer uma linha a ser seguida pelo escritor.

A introdução deve ser redigida em terceira pessoa, com os verbos no tempo passado, pois quando alguém for ler o texto, o trabalho já terá sido encerrado.

Essa parte do TCC deve consumir no máximo 03 páginas do seu trabalho, porém, se o formato for de artigo científico, 02 páginas será o limite do razoável.

Vamos então conhecer e exemplificar os elementos da introdução de TCC:

Justificativa

O primeiro elemento da introdução é a justificativa, com  01 a 03 parágrafos em que o pesquisador deve demonstrar por que seu tema é relevante.

Na justificativa, você deve situar o leitor sobre o assunto do trabalho, fazendo uma contextualização.

Introducao de TCC 3
Justificativa

Para tanto, você pode citar algum fato ou história importante, mencionar um conceito, convidar o leitor para uma reflexão, citar trabalhos anteriores ou, preferencialmente, mostrar algumas estatísticas sobre o assunto. Veja as dicas de um artigo sensacional do site viver de blog sobre como fazer uma introdução (acesse aqui).

Também é interessante apontar qual é a população envolvida e quais as repercussões o assunto pode gerar, as quais tornariam muito importante a realização da sua pesquisa.

Veja esse exemplo:

Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras, em 2015 já existiam 6.582 Cooperativas em funcionamento no Brasil, vinculadas a 50 milhões de brasileiros, sendo responsáveis por U$ 5,3 bilhões em exportações para 148 países.

Além disso, no Brasil, segundo o IBGE, 50% da produção agropecuária e, de acordo com a ANS, 32% dos atendimentos privados de saúde, dependem das Cooperativas.

Porém, embora o segmento cooperativista seja tão importante para a economia de um país que ciclicamente passa por crises, ainda não há solução legal para a crise financeira dessas sociedades.

Você concorda que se mais de 50 milhões de pessoas estão envolvidas com as Cooperativas, torna-se relevante pesquisar sobre uma forma de recuperá-las quando elas estiverem em crise? Com certeza, não é?

 

Apresentação do Tema

Introducao de TCC - tema
Tema

Em seguida, ou ao mesmo tempo, você deve fazer a apresentação do tema, delimitando-o o quanto for possível, para o leitor o exato conteúdo que será abordado.

Perceba que no exemplo anterior, o tema era: “A possibilidade de recuperação extrajudicial como meio de evitar a dissolução das sociedades cooperativas”.

A delimitação do tema é uma das tarefas mais importantes, tanto que dediquei o primeiro artigo da série “Como fazer TCC” exclusivamente a explicar como devem ser escolhidos os temas pata TCC.

Recomendo, então, que você leia o artigo sobre temas para TCC, antes de iniciar sua pesquisa. Melhor que isso, você pode baixar gratuitamente um super ebook que vai te ajudar a achar seu tema cm muita facilidade. Para fazer o download, basta clicar na imagem abaixo: 

ebook temas para TCC.pdf

Não tente, em hipótese alguma, começar a escrever sua introdução de TCC antes de ter um tema completamente definido e delimitado!

A introdução deve conter 01 parágrafo com a indicação do tema delimitado, ou seja, o assunto que você vai estudar, de acordo com um determinado ponto de vista, ambos relacionados por uma palavra de ligação esegmentado segundo a população, sujeito, ramo, lugar ou período.

Veja o tema delimitado para o presente artigo, que apresentei já no terceiro parágrafo do texto:

A aplicabilidade dos elementos essenciais na introdução de TCC pelos alunos concludentes de cursos superiores.

Ao realizar uma análise do tema, é possível identificar facilmente como ele foi delimitado:

Assunto: “introdução de TCC”;

Ponto de Vista: “elementos essenciais”;

Palavras de ligação: “a aplicabilidade dos (…) para a(…)”;

Segmentação: “alunos concludentes de cursos superiores”.

O tema é essencial para a introdução de TCC por que, sem ele, não é possível aplicar os demais elementos dela.

Sem o tema, não haverá, sequer, o problema de pesquisa, que é o próximo elemento a ser considerado.

Problema

Introducao de TCC - problema
Problema

Continuando, a introdução de TCC deve haver mais 01 parágrafo para informar qual é o problema da pesquisa. Toda pesquisa científica parte de um problema que precisa ser resolvido, o que se demonstra por meio de uma pergunta relacionada ao tema.

Se o seu tema estiver bem delimitado, será facílimo identificar o problema, normalmente bastando apenas inserir um pronome interrogativo (como, quando, onde, por quê, quando, qual, etc.) no início e uma interrogação ao final.

Por exemplo:

Tema: O impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Problema: Qual foi o impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em porto Alegre, durante 2016?

É claro que esse é um truque bem interessante, mas não chega a ser uma regra, quer dizer, não é obrigatório. Às vezes, pode existir uma pergunta muito mais interessante e mais fácil do que o próprio texto específico do tema.

Por exemplo, nesse artigo que você está lendo, poderia ter sido definido o seguinte problema:

Problema: Como deve se dar a aplicabilidade dos elementos essenciais na introdução de TCC pelos alunos concludentes de cursos superiores?

Porém, foi mais fácil e mais objetivo perguntar, simplesmente:

Problema: Como fazer uma introdução de TCC?

O fato é que o tema deve subsidiar o problema e o problema deve subsidiar o objetivo geral.

Objetivo Geral

Introducao de TCC - objetivo geral
Objetivo geral

Depois de apresentado o problema, o pesquisador deve escrever 01 parágrafo para indicar o objetivo geral da pesquisa.

Da mesma forma que o problema, o objetivo geral está intimamente ligado ao tema. Quanto mais abrangente ou mais estrito for o tema, mas abrangente ou estrito será o objetivo geral.

Afinal, o grande escopo do TCC é encontrar a resposta para o problema apresentado. Então, se o problema vem do tema, o objetivo geral também virá.

Normalmente, o objetivo geral é formado pelo problema, precedido de um verbo no infinitivo, com a a exclusão da interrogação ao final.

Por exemplo:

Tema: O impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Problema: Qual foi o impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em porto Alegre, durante 2016?

Objetivo Geral: Identificar qual foi o impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em porto Alegre, durante 2016.

Da mesma forma, nesse artigo, se o problema era “Como fazer uma introdução de TCC?”, então o objetivo geral tinha de ser “esclarecer como fazer introdução de TCC”.

Perceba que apenas foi incluído o verbo no infinitivo (esclarecer) e retirada a interrogação.

Objetivos Específicos

Introducao de TCC - objetivos específicos
Objetivos específicos

Os objetivos específicos representam as etapas que o escritor vai percorrer para atingir o objetivo geral e você precisa dedicar pelo menos 01 parágrafo para eles.

Para elaborar os objetivos específicos a dica é seguir a mesma lógica usada para o objetivo geral: basear-se no tema. Porém, no caso dos objetivos específicos, você deve quebrar o tema em partes.

O ideal é que o tema seja quebrado em pelo menos 03 partes, o que pode ser feito conforme o exemplo a seguir:

Exemplo de introdução – Tema 1:

Tema: O impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Parte 01: O impacto.

Parte 02: A tipificação do feminicídio.

Parte 03: O combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Esses 03 pedaços do tema deverão gerar 03 objetivos específicos, mas nada impede que você divida seu tema de outras maneiras, desde que ao final sejam pelo menos 02 objetivos.

Em seguida, você deve redefinir a ordem dos objetivos, normalmente partindo da parte mais teórica e terminando com a parte mais prática.

No exemplo acima, percebe-se que “a tipificação do feminicídio” é a parte mais teórica, já “o combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016” mescla conteúdos teóricos e práticos, ao passo que “o impacto de um assunto sobre a outro” somente pode ser analisado de forma prática.

Então, poderia ser mais conveniente adotar a seguinte ordem:

Parte 02: A tipificação do feminicídio.

Parte 03: O combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Parte 01: O impacto .

Feita a ordenação das partes teóricas para as práticas, o pesquisador deve estabelecer, em seguida, 01 verbo no infinitivo que indique a atividade que ele pretende desenvolver para cada assunto.

Montando os objetivos

Por exemplo:

Parte 02: A tipificação do feminicídio;

Objetivo específico 01: Explicar a tipificação do feminicídio.

Parte 03: O combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016;

Objetivo específico 02: Descrever o combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Parte 01: O impacto;

Objetivo específico 03: Analisar o impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

Neste artigo aconteceu exatamente a mesma coisa. veja:

Exemplo de introdução – Tema 2:

Tema:  A aplicabilidade dos elementos essenciais na introdução de TCC pelos alunos concludentes de cursos superiores.

Parte 01: “introdução de TCC”;

Parte 02: “elementos essenciais”;

Parte 03: “a aplicabilidade dos (…) para a(…)”;

 

Objetivo 01:  Explicar por que a introdução de TCC é importante;

Objetivo 02:  Identificar os elementos essenciais da introdução de TCC;

Objetivo 03:  Caracterizar, com exemplos, a aplicação dos elementos da introdução de TCC.

Você percebeu que, visualizando os objetivos específicos, já é capaz de entender como será o desenvolvimento do TCC?

A idéia é justamente essa! Os 03 objetivos objetivos se tornarão os 03 capítulos do desenvolvimento da sua pesquisa.

Prévia dos Capítulos 

Introducao de TCC - prévia dos capítulos
Prévia dos capítulos

Definidos os objetivos específicos, o próximo passo é realizar uma pequena prévia de cada capítulo.

Serão, normalmente, 03 parágrafos, em que o pesquisador irá apresentar o roteiro do que pretende fazer para atingir cada um dos objetivos específicos.

Exemplo de introdução – Prévia dos Capítulos 1:

Objetivo específico 01: Explicar a tipificação do feminicídio;

Prévia do capítulo 01: A pesquisa se inicia com a conceituação do feminicídio, bem como suas características, efeitos e abrangência. Em seguida, aborda-se o processo de tipificação dessa infração, com foco na exposição de motivos que determinaram essa intervenção penal.

Objetivo específico 02: Descrever o combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

 Prévia do capítulo 02: No segundo capítulo, a pesquisa aborda a violência contra a mulher, conceituando e delimitando esse fenômeno social. Continuando, são descritas as ações adotadas em Porto Alegre, em 2016, para o combate e monitoramento dessas situações .

Objetivo específico 03: Analisar o impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016.

 Prévia do capítulo 03: No derradeiro capítulo, é realizada uma análise completa dos números ligados à violência contra a mulher em Porto Alegre, durante 2016, a fim de verificar se a tipificação do feminicídio produziu os efeitos desejados na diminuição das agressões, reincidência e reinclusão social das vítimas.

Exemplo de introdução – Prévia dos Capítulos 2:

Se você olhar com calma, foi exatamente o que fiz no início do texto:

Objetivo específico 01: Explicar por que a introdução de TCC é importante;

 Prévia do capítulo 01: Na primeira parte, você vai entender o que é TCC e por que sua introdução é tão crucial.

Objetivo específico 02: Identificar os elementos essenciais da introdução de TCC;

 Prévia do capítulo 02: Depois, você irá conhecer os elementos que compõem a introdução de TCC.

Objetivo específico 03: Caracterizar, com exemplos, a aplicação dos elementos da introdução de TCC.

 Prévia do capítulo 03: Por fim, você irá ver as características e exemplos de cada um dos elementos da introdução de TCC, o que servirá de modelo para o seu próprio texto.

Pronto! Depois disso você já saberá exatamente o que deverá fazer nas próximas etapas da sua pesquisa… Já será possível até montar cronograma, se você quiser!

A chance de você se desviar da trajetória de sua pesquisa, perder tempo e se desmotivar será reduzida a praticamente zero, pois a única coisa a ser feita é simplesmente seguir o roteiro!

E como cada etapa está resumida a pequenas tarefas, você não encontrará grandes dificuldades para avançar, restando destruído de uma vez por todas o mito de que o TCC seria um trabalho difícil e extremamente complexo.

É claro que você não precisa se prender a esse roteiro, aliás, é comum que com o desenvolvimento dos estudos você acabe encontrando outros pontos mais ou menos importantes na pesquisa, sendo possível reajustar sua introdução a qualquer momento, sem problemas.

Metodologia

Introducao de TCC - metodologia
Metodologia

Agora, você precisará avaliar como você irá coletar dados e informações, quais resultados espera obter, bem como qual método irá usar para sistematizar tudo isso, a fim de que seus objetivos sejam atingidos.

Então será necessário avaliar a metodologia a ser empregada para a pesquisa. Mas não se preocupe com isso agora, em breve irei postar outro artigo com os tipos de pesquisa mais comuns, para guiar você quanto à melhor metodologia para o seu TCC.

Mesmo não tendo a pretensão de escrever um texto científico, inseri na introdução deste artigo uma breve indicação dos meios utilizados:

A ideia aqui foi produzir um guia técnico, não científico, porém redigido a partir do estudo da literatura sobre metodologia científica, aliado à minha larga experiência como orientador de trabalhos acadêmicos e integrante de bancas.

Há instituições de ensino que exigem em suas normas particulares que o TCC tenha um capítulo dedicado exclusivamente para explicar a metodologia da pesquisa.

Nesse caso, você terá que indicar cada método a ser utilizado, conceituando-o e explicando o motivo da escolha.

Porém, na maioria dos casos, será necessário haver normalmente **01 parágrafo na introdução para indicar a metodologia aplicada.

Hipótese 

Introducao de TCC - hipótese
Hipótese

Um elemento que não é obrigatório, mas que pode ser muito interessante para a introdução é a hipótese.

A hipótese consiste num pré-conceito. É a visão inicial que o escritor tem do problema, antes de iniciar a pesquisa.

O interessante, nesse caso, é que o foco do problema passa a ser mais estrito ainda. Nesse caso, a pesquisa não precisa analisar todos os aspectos possíveis e imaginários do tema. Tão somente, você irá verificar se a hipótese está certa ou errada.

Para um problema complexo podem ser sugeridas várias soluções possíveis. Nesse caso, é possível que o TCC não seja suficiente para pesquisá-lo com a profundidade necessária.

Desse modo, o pesquisador pode optar por testar, detalhadamente, apenas uma dessas soluções. Ao final o escritor indicará se ela é apta a resolver o problema proposto. Caso contrário, se ela deve ser descartada para o teste de outras hipóteses.

Neste artigo lancei a seguinte hipótese:

Compartilho da ideia de que elaborar uma excelente introdução é apenas uma questão de método.

De fato, esse elemento não era necessário, especialmente por se tratar de um texto técnico, não científico.

No entanto, ao lançar essa frase, eu restringi ainda mais o objetivo do texto. Dei a entender que apresentaria um método para elaborar uma excelente introdução de TCC.

Você concorda?

Prévia da Conclusão 

Introducao de TCC - prévia da conclusão
Prévia da conclusão

Para encerrar a introdução, você deve apresentar em 01 a 03 parágrafos, um breve resumo de sua conclusão. Faça uma indicação sucinta do produto da pesquisa.

É óbvio que você só irá finalizar esse último parágrafo quando terminar o TCC. Mas nada impede que antes mesmo de iniciar você crie um esboço. Afinal você já sabe o tema, o problema, os objetivos, a metodologia e a descrição dos capítulos. Então já deve imaginar como serão, também, os resultados.

É muito importante que exista uma indicação sobre o atendimento, ou não, dos objetivos.Também como a provável resposta da pergunta.

Pelos exemplos que utilizei nesse artigo, mesmo sem pesquisar de verdade, é possível sugerir uma prévia para a conclusão.

Exemplo Conclusão

Ao final verificou-se que os objetivos foram atendidos. Com o levantamento de dados suficientemente analisados permite-se a elaboração de uma resposta ao problema.

Nesse sentido, verificou-se que o impacto da tipificação do feminicídio no combate à violência contra a mulher foi inócuo. Os níveis de agressões e reincidência se mantiveram elevados, não havendo sinal de reinclusão social das vítimas.

Recomenda-se, desse modo, a realização de novos estudos para a identificação da causa dessa ineficácia. Carece, também, a identificação de outras medidas que possam efetivamente contribuir para o combate à violência contra a mulher.

No texto presente, bastou 01 parágrafo:

Quando terminar, você perceberá que os objetivos serão atingidos e irá descobrir, antes de começar a escrever, como fazer TCC. Poderá, então, elaborar uma pesquisa bem sucedida, sem retrabalho e sem sofrimento. Desde a primeira frase!

Percebeu que ainda não há exatamente nada em relação ao desenvolvimento do tema?

Não foram usadas citações, conceitos, análises… nada! Apenas indicativos do que estaria por vir. É essencial que a sua introdução siga essa linha. Isso fará o leitor valorizar seu trabalho e se interessar em ler o resto do texto.

É muito comum que os pesquisadores caiam na tentação de discutir conteúdos na introdução. Mas isso é um grande erro, por que essa parte do TCC não serve a essa finalidade.

Na verdade, a investigação dos assuntos estudados deve ocorrer na segunda parte do TCC. Ou seja, durante o desenvolvimento, especialmente no referencial teórico (saiba mais).

ebook temas para TCC.pdf

Conclusão

Viu como é fácil elaborar a introdução de TCC? Como eu disse no início, trata-se apenas de uma questão de método.

Tenho certeza que os objetivos que propus no início do texto foram atendidos e agora você sabe exatamente o que fazer!

Ao final, restou demonstrado que existe um método ideal para fazer uma excelente introdução de TCC. Tudo baseado na aplicação de alguns elementos essenciais para o texto, conforme a seguir:

Justificativa:

De 01 a 03 parágrafos  para demonstrar por que seu tema é relevante.

Apresentação do Tema

01 parágrafo com a indicação do tema delimitado. Ou seja, o assunto que você vai estudar, de acordo com um determinado ponto de vista. Ambos relacionados por uma palavra de ligação. Tudo segmentado segundo a população, sujeito, ramo, lugar ou período.

Problema

01 parágrafo para informar qual é o problema da pesquisa. Normalmente basta inserir um pronome interrogativo (como, por quê, qual, etc.) no início e uma interrogação ao final.

Objetivo Geral

01 parágrafo para indicar o objetivo geral da pesquisa. Normalmente, o objetivo geral é formado pelo problema, com um verbo no infinitivo e exclusão da interrogação ao final.

Objetivos Específicos

01 parágrafo para elaborar os objetivos específicos, seguindo a mesma lógica usada para o objetivo geral: basear-se no tema. Porém, no caso dos objetivos específicos, você deve quebrar o tema em pelo menos 03 partes.

Prévia dos Capítulos 

03 parágrafos para apresentar o roteiro do que pretende fazer para atingir cada um dos objetivos específicos.

Metodologia

01 parágrafo na introdução para indicar a metodologia aplicada. Como você irá coletar dados e informações? Quais resultados espera obter? Qual método irá usar para sistematizar tudo isso, a fim de que seus objetivos sejam atingidos?

Hipótese

01 parágrafo na introdução para indicar, de forma opcional, conforme o método escolhido, um pré-conceito. Isto é, a visão inicial que o escritor tem do problema, antes de iniciar a pesquisa.

Prévia da Conclusão 

01 a 03 parágrafos, com um breve resumo de sua conclusão, com uma indicação sucinta do produto da pesquisa. É muito importante que exista uma indicação sobre o atendimento, ou não, dos objetivos propostos. também, a provável resposta da pergunta.
[/sociallocker]
Tomara que você comece a escrever hoje mesmo a introdução do seu TCC. Não tenha medo, não procrastine, comece a escrever, mesmo se ainda não estiver totalmente confortável.

Depois de 11 a 15 parágrafos de redação, provavelmente você irá se deparar com uma excelente introdução de TCC.

Mesmo assim, se você ainda tiver alguma dúvida, não saia de mãos abanando… Deixa um comentário no formulário logo abaixo desse texto e eu te ajudarei!

Ah! Não esquece de COMPARTILHAR esse texto nas suas redes sociais! Vamos acabar com esse mito de que fazer TCC é difícil!

Muito obrigado!

Professor André Fontenelle