Categorias
Como fazer um TCC Metodologia Científica

Metodologia científica: Como definir os tipos de pesquisa do seu TCC?

Metodologia científica: Como definir os tipos de pesquisa do seu TCC?

Metodologia científica, projeto de pesquisa, tipos de pesquisa científica… afinal, o que é metodologia? O que é pesquisa? Como fazer uma metodologia para TCC?

Essas são algumas das principais dificuldades que os estudantes têm na época de elaborar o TCC.

Muitas vezes, eles ficam sem saber ao certo o que os avaliadores esperam do seu Trabalho de Conclusão de Curso. Ao mesmo tempo, são pressionados pelo prazo curto.

Isso acontece por que, no Brasil, o sistema educacional não privilegia o estudo científico desde o início da formação do indivíduo. O foco maior infelizmente é na memorização de conceitos.

Mas a metodologia da pesquisa científica não é nenhum “bicho de sete cabeças”, ao contrário, representa um conjunto de conceitos e regras bem simples.

A metodologia está para a pesquisa assim como as placas de trânsito estão para a condução de veículos.

Você pode saber controlar bem um veículo, mas dificilmente será um bom motorista se não entender as placas de trânsito. De igual forma, você pode saber escrever muito bem, porém jamais desenvolverá uma investigação científica se não dominar os métodos.

O que você vai encontrar nesse artigo?

[toc]

Depois de ler esse artigo até o final, o quesito método não será mais um obstáculo.

Minha pretensão aqui não é aprofundar nenhum dos conceitos, nem falar de todas as metodologias possíveis. O que você está recebendo é um guia prático, focado na escolha e na explicação sobre os métodos do seu TCC.

Ao final, você terá condições de estabelecer os métodos para o seu projeto de pesquisa e se concentrar apenas no desenvolvimento do seu texto.

ebook temas para TCC.pdf

O que é pesquisa? O que é metodologia científica?

Já vi muita gente boa dizendo que investigação científica seria o procedimento voltado à produção de novos conhecimentos. De fato, essa afirmação não é totalmente errada, o erro está em pensar que é só isso!

É importante lembrar que, além da ciência, existem outros tipos de conhecimento: o popular, o filosófico e até o teológico. Além disso, essa ideia acaba encobrindo os elementos que efetivamente caracterizam uma exploração científica.

Elementos necessários de toda investigação científica

É a exploração que parte da existência de um problema e utiliza métodos científicos para chegar a uma conclusão.

Me arrisco a afirmar que, se pelo menos um desses elementos estiver faltando, não haverá exploração científica, mas, tão somente, uma redação simples.

O que é pesquisa científica?
O que é pesquisa?

Toda exploração científica parte da inquietação do autor diante de um problema.

A partir daí, ele busca coletar informações que considere úteis, a fim de organizá-las, analisá-las, colher resultados e, com isso, buscar respostas para o problema.

Mas o simples fato de alguém buscar a solução para um problema, não significa necessariamente que exista uma exploração científica.

Para evidenciar o desenvolvimento científico, é necessária a observação criteriosa dos fatos e fenômenos, com o teste de hipóteses e resultados comprovadamente verificáveis.

Quer dizer, se outro autor utilizar os mesmos métodos, para os mesmos testes, deverá obter os mesmos resultados.

Para que isso aconteça, os métodos utilizados numa devem ser reconhecidos pela ciência.

É possível afirmar que método é um procedimento, uma técnica ou simplesmente um modo de fazer algo.

Por outro lado, método científico é aquele que já foi analisado, testado e tido reconhecida como próxima da exatidão, para um determinado objetivo.

A importância do método

Já a metodologia é o estudo dos métodos reconhecidos pela ciência como sendo mais adequados para a execução de uma investigação.

O que é metodologia científica?
Conceito

Se o autor não evidenciar que utilizou corretamente a metodologia da pesquisa científica, não haverá nenhuma garantia de que seu texto não contenha meramente suas opiniões pessoais, crenças e valores morais.

Um texto sem cuidados metodológicos pode revelar saber empírico, mas jamais será ciência, por que não passará de um compêndio de conhecimentos populares, filosóficos ou teológicos.

Quer dizer, sem o domínio dos tipos de metodologia, a chance de um examinador desvalorizar seu trabalho e até provocar sua reprovação é, simplesmente, gigante.

Então, você precisa dominar os métodos do seu TCC, pois, o uso correto dos métodos é o que traz credibilidade para que os resultados sejam considerados verdadeiros .

Você compreende o tamanho do risco envolvido e a importância disso?

Por isso mesmo é que você precisa aprender um pouquinho de metodologia para conseguir aplicar os métodos científicos corretamente.

Vamos começar, então, descobrindo quais são os principais procedimentos e como eles são classificados.

Como são classificados os principais métodos

Como vimos, um dos ingredientes para a elaboração de um TCC bem sucedido é a descrição correta dos métodos utilizados.

Isso por que sua identificação servirá para informar aos avaliadores os limites técnicos de sua investigação científica, limitando as exigências deles ao que você se comprometeu a fazer.

Mas para isso, você precisa saber como selecionar os melhores métodos para a busca de uma solução para o seu problema, o que somente será possível quando você compreender sua classificação.

Então vamos lá!

Particularmente, eu classifico em duas grandes classes: os elementos essenciais e os elementos complementares.

Elementos de metodologia científica
Elementos

Elementos essenciais da metodologia do trabalho científico

Essenciais são os elementos mínimos para a completa descrição do trabalho, identificando qual é sua finalidade, seus objetivos, sua abordagem, seu método e seus procedimentos.

Elementos complementares da metodologia do trabalho científico

Complementares são os elementos que adicionam detalhes e esclarecimentos aos elementos essenciais, explicando quais são as unidades de análise, os instrumentos de coleta de dados, as variáveis e dimensões consideradas e as etapas desenvolvidas.

Classificação da metodologia científica
Classificação dos métodos

Como usar esses métodos?

Então, obrigatoriamente, você terá de fazer uma análise do seu TCC e identificar como ele se enquadra.

Isso significa que você terá de classificar seu trabalho acadêmico por pelo menos 05 critérios, relativamente aos seus elementos essenciais (finalidade, objetivos, abordagem, método e procedimentos).

Além disso, dependendo dos elementos essenciais que você escolher e da forma como for usá-los, é possível que surjam outros elementos.

Nesse caso, você precisaria ter atenção aos elementos complementares (unidades de análise, os instrumentos de coleta de dados, as variáveis e dimensões consideradas e as etapas desenvolvidas).

Mas não vamos nos preocupar com isso agora. No futuro, quando for te ensinar , por exemplo, como fazer estudos de caso, entrevistas e questionários, irei apresentar alguns artigos específicos sobre os métodos complementares.

Entretanto, você não conseguirá fazer a classificação metodológica do seu TCC corretamente, se não conhecer pelo menos a caracterização dos principais procedimentos de investigação.

Então, leia atentamente o próximo capítulo, que traz a caracterização básica, resumida e simplificada dos mais comuns tipos e métodos.

Metodologia TCC: tipos de pesquisa, características e modos de utilização

A proposta desse artigo, como dito desde o início, não é aprofundar os conceitos, mas oferecer um guia prático para que você saiba os métodos que irá usar e como fazer isso corretamente.

Seguindo essa linha, a seguir você encontrará os principais tipos e métodos de pesquisa, com as características que os individualizam e modos de utilização.

Lembre-se que o domínio desse conteúdo será determinante para o sucesso do seu TCC. Por isso, se ao final ainda houver alguma dúvida, deixe uma pergunta no formulário de comentários, que está logo abaixo do texto.

Tipos de Pesquisa
Classificação dos tipos de metodologia

Elementos essenciais: Quanto à finalidade

Essa é uma das mais tradicionais e também mais simples formas de classificação da investigação.

Quanto à finalidade, a exploração pode ser básica ou aplicada. Já a básica, pode ser pura ou estratégica.

Pesquisa Básica

É aquela em que se busca apenas aprofundar o conhecimento disponível na ciência.

Isso é feito para preencher a ausência de estudo sobre algum aspecto que ainda não foi completamente abordado, relativamente a um assunto específico.

Normalmente, são textos caracterizados pela a análise de conceitos e sistematização de ideias. Na básica, não se busca a transformação da realidade, apenas do saber.

Ela é usada em estudos predominantemente teóricos e cujo problema não seja relacionado diretamente com uma situação específica.

Porém, se for fazer uma investigação básica, você terá de definir (e deixar claro no texto do seu TCC), se ela será pura ou estratégica.

Básica Pura

Na básica pura o autor não parte de uma situação específica e não demonstra interesse nos possíveis benefícios decorrentes de seu estudo.

Nesse caso, a finalidade do trabalho é puramente teórica, com o único objetivo de expandir o conhecimento disponível. As recomendações, se houverem, serão apenas voltadas ao debate acadêmico, propondo novas questões.

Básica Estratégica

Na básica estratégica o autor não parte de uma situação específica, que ele pretenderia resolver na prática. Porém, ele busca desenvolver conhecimentos que possam eventualmente ser utilizados para a solução de problemas conhecidos.

Essa será a sua escolha se você não buscar resolver diretamente um problema prático e identificado no trabalho, mas propor recomendações úteis para resolver problemas conhecidos.

Pesquisa Aplicada

Aplicada é aquela em que o autor busca fazer um estudo científico voltado a solucionar algum problema específico, que já é conhecido e demonstrado no texto do trabalho.

Desse modo, ela não serve apenas para gerar um novo conhecimento, aumentando o que já está disponível, mas, também para aplicá-lo na prática, intervindo no mundo real.

Normalmente, parte-se de conhecimentos já desenvolvidos em investigações básicas anteriores para aplicá-los na prática.

Ela deve ser usada quando você partir de um problema prático e tiver como finalidade, por exemplo, melhorar algum processo, comportamento ou produto.

Pesquisa básica pura, Pesquisa básica estratégica e Pesquisa Aplicada
Pesquisa básica pura, básica estratégica e Aplicada

Elementos essenciais: Quanto aos objetivos

[sociallocker id=”14197″]
A segunda forma de caracterização dos estudos científicos é quanto aos objetivos. No entanto, tenha cuidado, pois essa classificação não trata dos objetivos gerais e específicos, vistos no artigo anterior, mas dos seus propósitos gerais.

Quanto aos objetivos, sua investigação deverá ser classificada como descritiva, exploratória ou explicativa.

Pesquisa Descritiva

Objetiva retratar as características do objeto estudado, expondo com precisão os fatos ou fenômenos, para estabelecer a natureza das relações entre as variáveis delimitadas no tema.

ebook temas para TCC.pdf

É, provavelmente, o tipo mais comum nos cursos de Direito, Contabilidade e Administração, pois nessas áreas o conhecimento já está bastante sistematizado, não havendo muito espaço para explicação ou exploração.

Normalmente, parte-se de um problema constatado em alguma realidade, natural ou cultural, coleta-se informações, bibliográficas ou não, analisa-se as variáveis envolvidas e propõe-se recomendações.

Esse, por sinal, é o padrão em TCC’s, no âmbito da graduação, embora também seja muito usado na pós-graduação.

Provavelmente, seu trabalho acadêmico será descritivo. Você vai usá-la quando buscar expor, classificar e interpretar fatos ou fenômenos, fazendo a análise mais precisa possível, sem interferir pessoalmente nos dados coletados.

Pesquisa Exploratória

Tem como objetivo identificar melhor, em caráter de sondagem, um fato ou fenômeno, tornando-o mais claro e propor problemas ou até hipóteses.
É uma investigação quase pioneira, inovadora, criativa e cabível em relação a assuntos cujo conhecimento seja bem pouco desenvolvido.

Claro, esse ineditismo tem de ser evidenciado em relação a toda a ciência e não apenas na ótica do autor.

É um tipo bastante flexível, podendo ser realizada de forma bibliográfica mesclada com entrevistas e análise de exemplos, por exemplo.

Você vai usá-la quando, havendo pouco conhecimento científico sobre um assunto, estudar a realidade prática para descrever situações reais, estabelecer variáveis ou encontrar outros problemas.

Pesquisa Explicativa

Visa encontrar os fundamentos que dão ensejo a um fenômeno, quer dizer, buscar a razão, o motivo, a causa e o efeito das coisas.

É muito provável, caso você não seja um doutorando ou pelo menos um mestrando, que seu TCC não seja explicativo.

Isso por que esse é o tipo mais complexo e, na maioria dos casos, representa a continuação de uma investigação descritiva.

Você vai usá-la quando desenvolver um conhecimento completamente novo sobre algo, desvendando um “porquê” relativo ao objeto estudado, normalmente em pesquisa experimental, observacional ou ex post facto.

Pesquisa Descritiva, Pesquisa Exploratória e Pesquisa Explicativa
Pesquisa Descritiva, Exploratória e Explicativa

Elementos essenciais: Quanto à abordagem

A terceira forma de classificação é quanto à abordagem, podendo ser qualitativa, quantitativa ou mista (quali-quantitativa).

Abordagem Qualitativa

Se você está fazendo um TCC na graduação, especialmente na área de ciências humanas, provavelmente seu TCC tem abordagem qualitativa. Mas, o que é pesquisa qualitativa?

Nela, o autor é ferramenta essencial, pois é ele quem faz a análise dos dados coletados, buscando os conceitos, princípios, relações e significados das coisas.

A abordagem qualitativa tem, pois, caráter subjetivo, tendo em vista que o critério para a identificação dos resultados não é numérico, exato, mas valorativo.

Ainda que eventualmente se utilize alguns números, normalmente ela é aplicada a populações pequenas, que não viabilizam uma análise estatística.

Abordagem Quantitativa

Já a abordagem quantitativa se caracteriza pelo uso de ferramentas e técnicas estatísticas, para a análise dos dados. Isso é necessário para permitir a medição das relações entre as variáveis, de maneira estritamente numérica.

Desse modo, é possível identificar nos fenômenos apenas os dados quantificáveis, obtendo-se os valores médios e não as particularidades de cada objeto.

Na abordagem quantitativa, o autor adota uma atitude de observação, pois não cabe a ele interferir na análise dos resultados, apenas constatá-la. Essa tarefa, normalmente, é realizada por planilhas e sistemas de computador, dada a complexidade dos números.

Nela, a população estudada normalmente é grande, para viabilizar uma melhor representatividade numérica, minimizando eventuais desvios.

Por esse motivo, as conclusões são obtidas em grau de probabilidade, ao invés de certeza.

Você deve ter percebido que não é qualquer investigação que adota essa abordagem, não é? Normalmente, essa forma de especulação é adotada em mestrados ou doutorados, especialmente em ciências exatas ou sociais.

Abordagem Quali-quantitaviva

Por outro lado, mesmo que as duas abordagens, qualitativa e quantitativa, sejam absolutamente diferentes, elas não se excluem.

Desse modo, é possível que um estudo tenha uma parte cuja abordagem seja eminentemente qualitativa e outra preponderantemente quantitativa.

Caso isso ocorra, deverá ser caracterizada como quali-quantitativa.

Pesquisa Qualitativa, Pesquisa Quantitativa e Pesquisa Quali-Quantitativa
Pesquisa Qualitativa, Quantitativa e Quali-Quantitativa

Elementos essenciais: Quanto ao método

Além disso, a investigação pode ser classificada quanto ao método, que pode ser indutivo, dedutivo, hipotético-dedutivo ou dialético.

Essa classificação leva em consideração a forma de raciocínio lógico adotado, indução ou dedução, para a obtenção de uma conclusão a partir de premissas.

Método Indutivo

No método indutivo, o autor parte de observações específicas, para obter como conclusão uma premissa geral.

Por exemplo:

O cachorro tem pêlos (observação particular);

O gato tem pêlos (observação particular);

O cavalo tem pêlos (observação particular);

Então, todos os mamíferos são peludos (indução – premissa geral).

A indução se dá pela observação individual dos fenômenos, seguida pela identificação de coincidências entre eles e a consequente generalização.

Método Dedutivo

Já o método dedutivo é aquele em que o autor parte da observação de uma situação geral, para explicar as características particulares de um objeto individual.

Por exemplo:

Todas as frutas têm sementes (situação geral);

Laranjas e uvas são frutas (situação particular);

Então, laranjas e uvas têm sementes (dedução).

Enquanto a indução generaliza, a dedução particulariza.

No método dedutivo, a conclusão deve necessariamente ser verdadeira. Se a conclusão for falsa, com certeza uma das premissas também será.

Desse modo, no exemplo acima, caso laranjas ou uvas não tivessem sementes, ou elas não seriam frutas ou nem todas as frutas teriam sementes.

Já no método indutivo, é possível que as premissas sejam verdadeiras, mesmo com a conclusão falsa. No exemplo anteriormente citado, se cães, gatos e cavalos tem pêlos, há, apenas a probabilidade de que os mamíferos sejam peludos, mas não a garantia.

Método Hipotético-Dedutivo

O hipotético-dedutivo é um método de tentativas e erros, que consiste na formulação de hipóteses e tentativas de falseamento delas. Esse método não visa a verdade absoluta, pois parte da premissa de que o conhecimento absoluto não é alcançável.

Por isso, as hipóteses que não forem reprovadas não necessariamente serão verdadeiras, podendo ser submetidas a novos testes. A ideia é que a ciência descarte, num processo cíclico de estudos, todas as hipóteses falsas, fazendo o conhecimento se aproximar ao máximo da verdade.

O método hipotético-dedutivo funciona a partir de um problema. Em seguida, observando o objeto de estudo, o autor identifica pelo menos uma hipótese e passa a testá-la. Por fim, descarta-se as hipóteses reprovadas nos testes, obtendo conclusões sobre o problema.

Método Dialético

O método dialético, por sua vez, se caracteriza pelo confronto de ideias. Por ele, qualquer conceito definido como verdadeiro deve ser testado diante de outras ideias, a fim de que se obtenha uma nova teoria.

De um modo geral, o método dialético compreende 03 etapas: a tese, a antítese e a síntese.

A tese representa uma ideia inicial, preconcebida e tida até então como verdadeira. A partir dela, o autor propõe uma teoria contraditória à tese. Após o confronto de tese com a antítese, surge a síntese, como resultado da ponderação, gerando uma nova tese.

A nova tese se torna, então, o ponto de partida para outros estudos, favorecendo a existência de um ciclo dialético em busca do conhecimento.

Método Indutivo, Método Dedutivo, Método Hipotético-Dedutivo e Método Dialético
Método Indutivo, Método Dedutivo, Método Hipotético-Dedutivo e Método Dialético

Elementos essenciais: Quanto aos procedimentos

A quinta e mais abrangente forma de caracterização é quanto aos procedimentos. Essa classificação diz respeito à forma como os dados são coletados, como a análise é realizada e como os resultados são interpretados.

Quanto aos procedimentos, sua investigação deverá ser classificada como: Bibliográfica, Documental, Estudo de Caso, Experimental, de Campo, ex post facto, Levantamento, ação e Participante.

Vale salientar, entretanto, que todos esses procedimentos não são excludentes, isto é, há grande possibilidade de que se adote mais de um desses procedimentos.

Essa situação, se ocorrer, em nada prejudicará a metodologia adotada no TCC, ao contrário, a tornará mais rica.

Então fique atento a eles e não perca a oportunidade de comentar, no formulário abaixo desse texto, se ao final ainda tiver alguma dúvida. Também, se você tiver alguma crítica ou sugestão, por favor não deixe de comentar.

Pesquisa Bibliográfica

É o procedimento mais comum, estando evidenciado em provavelmente 100% dos TCC’s.

Mas, o que é pesquisa bibliográfica? Trata-se da investigação realizada tendo como fontes livros, artigos e outros textos de caráter científico já publicados.

Nesse tipo de investigação, de caráter predominantemente teórico, busca-se especialmente desvendar os relacionamentos entre conceitos, ideias e características de um objeto.

Realiza-se a comparação de várias posições sobre um problema, deixando o autor repleto de informações sobre aquele assunto. A partir daí, o autor compara os resultados, faz interpretações e constrói conclusões.

Mesmo que uma investigação tenha caráter empírico, adotando outros procedimentos, como o estudo de caso, por exemplo, sempre haverá uma parte teórica, caracterizando-se a especulação bibliográfica.

Também, é possível que ela seja unicamente teórica, mas nesse caso o autor deve estar muito atento à problematização do tema, para não cair na armadilha de escrever uma mera coletânea de conceitos.

ebook temas para TCC.pdf

Pesquisa Documental

É a que usa como fontes documentos que não tenham caráter científico. Considera-se documento qualquer objeto que contenha informação sobre um fato, fenômeno ou acontecimento.

Esse tipo de estudo usa textos de empresas e entidades públicas, cartas, diários, catálogos, jornais, revistas, certidões, escrituras, testamentos, fotografias, tabelas, imagens, relatórios contábeis, estatísticas, etc.

Estudo de Caso

Estudo de caso é uma investigação que visa retratar de forma profunda e exaustiva determinados aspectos de um indivíduo, população, organização, ambiente, situação ou fenômeno.

Por isso, não permite a generalização, quer dizer, nenhuma conclusão do autor pode extrapolar o âmbito do seu objeto de estudo.

A ideia é encontrar as principais particularidades de um caso que possam ser comparadas com outros casos, por quem vier a ler o texto. Assim, a eventual generalização só deve ser feita pelo leitor.

A vantagem desse procedimento é a possibilidade de concentrar a exploração no problema de uma única empresa, ou de um grupo de pessoas, por exemplo.

Além disso, não se exige métodos rígidos para a realização de um estudo de caso, podendo ser utilizadas entrevistas, questionários, documentos, etc.

Por vezes, o estudo de caso se faz com números do objeto estudado, porém, ao contrário do que se possa pensar, a investigação provavelmente será qualitativa.

Isso por que sua análise não é necessariamente estatística, restrita à verdade contida nos números. No estudo de caso o autor em regra realizará uma crítica aos dados coletados, para encontrar causas e eventuais soluções do problema.

Pesquisa Experimental

Ela é praticamente um padrão nas explorações de laboratório, é o procedimento em que se manipula variáveis para avaliar o impacto de uma sobre outra.

Normalmente separa-se dois grupos: um deles fica isolado, enquanto outro sofre a influência de uma determinada variável. Depois realiza-se uma comparação entre ambos os grupos, para avaliar o impacto da variável.

Imagine, por exemplo, que o autor busque descobrir qual é o impacto da ergonomia na produtividade dos profissionais de tecnologia.

Para isso, ele deverá procurar dois grupos desses profissionais, depois garantir o uso da ergonomia para um e para o outro evitá-lo. Em seguida bastará comparar os níveis de produtividade deles.

Mas a investigação experimental também pode se dar pela aplicação de uma variável sobre dois grupos. Nesse caso, busca-se verificar se o impacto entre elas é homogêneo.

Também, pode-se analisar o mesmo grupo, porém antes e depois do impacto de uma variável.

Por fim, é possível estudar dois grupos antes e depois do impacto de uma variável. Com isso é possível diferenciar as consequências que cada um pode sofrer.

Pesquisa ex post facto

É a que ocorre depois da ocorrência dos fenômenos.

Ela se parece com a experimental, por ser um experimento de volta no tempo. Mas elas são diferentes! De fato, na pesquisa ex post facto o autor não tem controle sobre todas as variáveis, pois elas já agiram.

A investigação ex post facto tem cabimento quando verifica-se, em momento futuro, que uma determinada variável influenciou algum objeto, sujeito ou fenômeno.

A variável de que não se tem controle pode ser a implantação de uma indústria, a realização de uma obra, a adoção de uma legislação numa cidade, por exemplo.

Nesse caso, o autor deveria encontrar uma cidade com as mesmas características e que não tenha sofrido a influência dessa variável.

A partir daí o autor conduz o “experimento”, comparando o impacto da existência e da ausência da variável nos dois objetos (ambas as cidades).

Pesquisa de Campo

É aquela em que o autor vai pessoalmente à realidade estudada e coleta, diretamente, os dados.

Esse método se contrapõe à exploração de laboratório, em que o autor tem controle pleno das variáveis. Na pesquisa de campo o objetivo é identificar os fenômenos no mundo natural, sem que o autor tenha qualquer controle sobre as variáveis.

Mesmo assim, como em todas os outros procedimentos, exige-se a realização de uma exploração bibliográfica sobre o assunto estudado.

Porém, o autor também precisa definir como coletará os dados. Também, qual será a amostra estudada, bem como a forma de registro e análise dos dados.

Pesquisa de Levantamento

É que visa conhecer os comportamentos de uma população. Esse procedimento é realizado mediante consulta direta às pessoas, normalmente por meio de questionários, por amostragem.

As análises de intenção de votos, por exemplo, são consideradas levantamentos.

O levantamento carece da utilização de técnicas estatísticas, caracterizando-se como quantitativa, de modo a permitir a generalização dos resultados.

Como é padrão nas pesquisas quantitativas, o levantamento não permite o detalhamento do fenômeno estudado, mas identifica seus aspectos gerais.

Pesquisa-ação

É a pesquisa de campo em que o autor pessoalmente se envolve. Ele age efetivamente sobre o mundo natural.

A característica principal dela, portanto, é a interferência do escritor para a mudança dos fenômenos.

O autor deve ser proativo na investigação. Ele deve propor ações e depois avaliar os resultados delas na população envolvida.

Desse modo, para realizar uma pesquisa-ação, o autor deve identificar um problema prático de uma comunidade. Em seguida, deve elaborar um projeto com ações para a solução desse problema. Por fim, restaria avaliar as mudanças ocorridas.

Pesquisa Participante

Ela se parece com a pesquisa-ação, por que o autor precisa interagir com a população estudada.

Porém, o autor não precisa realizar ações para interferir na realidade. Seu objetivo, na verdade, é proporcionar o conhecimento mais amplo possível do grupo por ele.

Para conseguir atingir esse entendimento profundo do grupo, o autor adota como estratégia se inserir e assumir um papel nele. A partir daí ele busca realizar exploração descritiva e qualitativa.

Desse modo, a população envolvida acaba não sendo apenas um objeto de estudo. Na verdade, as pessoas participam da análise, num processo de autoconhecimento.

A solução dos problemas envolvidos na investigação, então, não são monopólio do autor. De fato, são fruto da discussão com a população estudada.

"<yoastmark

ebook temas para TCC.pdf

Conclusão

A proposta deste artigo era oferecer um guia prático, focado na escolha e explicação da metodologia do seu TCC. A meta foi garantir que isso não seja mais obstáculo para você.

Então, me comprometi a explicar o significado de pesquisa e metodologia. Também, como se dá sua classificação, suas características e modos de utilização.

Conceitos

Você descobriu que pesquisa científica é a busca da solução de um problema com a utilização de métodos científicos.

Já a metodologia é o estudo dos métodos reconhecidos pela ciência e mais adequados.

Classificação

Depois, eu te expliquei que existem elementos essenciais e complementares, conforme assim classificados:

  1. Essenciais são os elementos mínimos para a completa descrição da investigação. Eles identificam qual é sua finalidade, seus objetivos, sua abordagem, seu método e seus procedimentos.
  2. Complementares são os elementos que adicionam detalhes e esclarecimentos aos elementos essenciais. Eles explicam unidades de análise, instrumentos de coleta de dados, variáveis e dimensões consideradas e etapas desenvolvidas.

Continuando, expliquei que os elementos complementares não seriam importantes nesse momento. Na verdade, o objetivo do artigo era ensinar você a classificar a metodologia do seu TCC.

Características

Então nos concentramos em entender os elementos essenciais, que dividimos em 05 categorias, conforme a seguir:

  1. Quanto à finalidade, a pode ser:
    1. Básica;
      1. Básica Pura;
      2. Básica Estratégica.
    2. Aplicada.
  2. Quanto aos objetivos, deverá ser classificada como:
    1. Descritiva;
    2. Exploratória, ou;
    3. Explicativa.
  3. A terceira forma de classificação é quanto à abordagem, podendo ser:
    1. Qualitativa;
    2. Quantitativa, ou;
    3. Mista (quali-quantitativa).
  4. Além disso, pode ser classificada quanto ao método, que pode ser
    1. Indutivo;
    2. Dedutivo;
    3. Hipotético-dedutivo, ou;
    4. Dialético.
  5. Por fim, quanto aos procedimentos, deverá ser classificada como:
    1. Bibliográfica;
    2. Documental;
    3. Estudo de Caso;
    4. Experimental;
    5. De Campo;
    6. ex post facto;
    7. Levantamento;
    8. ação, e;
    9. Participante.

[/sociallocker]

Considerações Finais

Agora que chegamos ao final, aposto que você já domina a técnica para definir a metodologia do seu TCC.

Essa era a proposta. Você não precisa ser um especialista em trabalho científico, precisa ser especialista apenas na seu próprio tema!

ebook temas para TCC.pdf

Mesmo assim, se você ainda tiver alguma dúvida… Reitero o convite para você deixar um comentário, logo ali abaixo do texto.

Além disso, peço a você que compartilhe esse artigo. Eu fiz com muita atenção a você e sugiro que você tenha a mesma atitude com as outras pessoas. Lembre-se: compartilhar é se importar com os outros!

Em breve postarei um novo artigo como esse. Se você cadastrar seu e-mail no blog, receberá um aviso por e-mail assim que eu tiver novidades.

Então, deixo o meu abraço e o meu convite para que você volte a visitar meu blog. Até breve!

Professor André Fontenelle

Categorias
Como fazer um TCC Fundamentação teórica

Como Fazer Referencial Teórico – Guia Completo e Prático

Como Fazer Referencial Teórico – Guia Completo e Prático

O Referencial Teórico (ou fundamentação teórica) é a parte do artigo científico ou da monografia que mais provoca transtornos. É nele que estão os erros, omissões e plágios que tanto maltratam quem não sabe como fazer um TCC.

O tempo é limitado e as pessoas não conseguem manter o foco por que não sabem o que escrever. Por isso, infelizmente é nessa fase que muitas pessoas desistem de fazer seus trabalhos acadêmicos.

Mas, calma! O que poucos sabem é que quando o assunto é pesquisa científica, existe método para tudo! Se você está passando por essa dificuldade, eu vou salvar você!

Duvida? Então leia esse artigo até o final e aprenda os melhores métodos para escrever seu referencial teórico com eficiência e rapidez. Vamos abordar os seguintes pontos:

[toc]

Além disso, vou tirar todas as suas dúvidas. Para isso, basta você perguntar no formulário de comentários, que está abaixo do texto. Aproveite e compartilhe com seus amigos… isso é muito importante para mim e para o blog!

Então vamos lá!
ebook temas para TCC.pdf

1. O que é referencial teórico e o que é fundamentação teórica

A primeira coisa que você deve saber é que as duas expressões significam exatamente a mesma coisa!

As normas ABNT não definem exatamente essa nomenclatura, então cada faculdade resolve aplicar a que achar mais conveniente.

Você também pode encontrar o mesmo significado nas expressões “revisão bibliográfica”, “revisão de literatura” e “abordagem teórica”. Vou usá-las nesse texto, para não ficar repetindo o termo referencial teórico o tempo todo.

Então, tanto uma como as outras dessas expressões se referem ao embasamento teórico da sua pesquisa. Rigorosamente, tudo o que você escrever deverá ser fundamentado em alguma teoria já existente.

Você não pode inventar!

Em outras palavras, referencial teórico é o conjunto de conhecimentos relativos à teoria sobre os diversos elementos contidos no seu tema, que você simplesmente vai copiar de outros autores, organizar, descrever e inserir no seu texto.

O que é Referencial Teórico
O que é Referencial Teórico

Mas, se você não deve dizer suas próprias opiniões na parte das referências, onde é que se faz isso? E onde é que fica mesmo a parte de embasamento teórico?

Para responder a essas questões, você precisa conhecer a estrutura de um TCC.

Estrutura

De modo geral, o Trabalho de Conclusão de Curso é dividido em elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.

A parte pré-textual serve para identificar o autor e a pesquisa, como capa, resumo sumário, etc. A parte pós-textual serve de apoio à parte textual (bibliografia, anexos, apêndices, etc.).

Já a parte textual é a que contém a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. E é no desenvolvimento que fica o referencial teórico.

O desenvolvimento deve conter, obrigatoriamente, a abordagem teórica e a análise dos resultados.

Porém, dependendo do tipo de pesquisa, haverá também, a pesquisa empírica, que pode ser um estudo de caso, por exemplo.

O desenvolvimento também deve conter a metodologia científica utilizada, exceto nos artigos científicos, onde ela aparece normalmente apenas na introdução.

Fundamentação Teórica
Fundamentação Teórica

Localização do Referencial Teórico no Desenvolvimento

Dependendo da faculdade, pode ser um capítulo específico ou não. Como não existem normas ABNT obrigatórias para isso, cada instituição organiza da sua maneira.

Por isso, é comum que a revisão bibliográfica não apareça no sumário como um capítulo específico. Mas isso você só consegue descobrir na sua própria faculdade.

Se sua faculdade exige um capítulo específico para o referencial teórico, o ideal é dividir os assuntos em subtítulos. Caso contrário, você deve criar pelo menos 02 capítulos de revisão de literatura.

Mas, como definir quais serão os capítulos ou subtítulos do seu referencial teórico?

Para isso, eu recomendo que você quebre seu tema em pelo menos 03 partes. No artigo sobre temas para TCC (acesse) eu mostrei para você o método que ajuda você a fazer essa escolha.

ebook temas para TCC.pdf

Nele eu mostrei que você deve encontrar em primeiro lugar, um assunto central. Depois, um ponto de vista sobre o assunto. E, por fim, uma palavra que represente a relação entre o assunto e o ponto de vista.

Então, o assunto deve ser o primeiro objetivo específico e, consequentemente, o primeiro capítulo. O ponto de vista será o segundo objetivo específico e também o segundo capítulo. Esses dois capítulos serão o seu referencial teórico.

A relação entre o assunto e o ponto de vista será o terceiro objetivo específico, ou seja, o terceiro capítulo. Isso é o que se denomina “análise dos resultados”. É nessa parte do trabalho que você pode mostrar suas posições sobre o conceitos pesquisados.

Embasamento Teórico
Embasamento Teórico

Citações diretas e indiretas

No tópico anterior eu disse que você simplesmente deve copiar o texto de outros autores, organizar, descrever e inserir no seu texto.

Você não leu errado, estou mandando copiar os textos de outros autores! Mas isso não é plágio?

Depende! Se você copia o texto de alguém e coloca na sua pesquisa como se fosse seu, isso é plágio. Porém, se você copia o texto de alguém e insere no seu texto, identificando quem escreveu, isso é uma citação!

A pesquisa bibliográfica deve ser 100% embasada em citações. Mesmo assim, você não vai fazer o referencial teórico só com elas.

É necessário que a maior parte do texto seja sua!

O segredo aqui é o fato de que você não vai criar nenhum conhecimento teórico, apenas comentar outras pessoas desenvolveram.

Nessa parte do trabalho, você não deve apresentar sua opinião de forma direta.

O correto é fazer uma redação descritiva. Deixe suas considerações para o terceiro capítulo, quando for analisar os resultados da pesquisa bibliográfica.

É para isso que serve o texto citado de outros autores.

Conceito e tipos

Elas estão regulamentadas pela ABNT NBR 10.520 (acesse aqui), Norma Brasileira aprovada pela ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Citação é a “menção de uma informação extraída de outra fonte”, nos termos da NBR 10.520 (ABNT, 2002, p. 1). Elas podem ser classificadas de 02 formas:

Quanto à maneira de apresentar a informação;

Quanto ao tamanho e localização.

Quanto à maneira de apresentar a informação

Citação direta é quando você copia uma parte do texto de alguém e transcreve para o seu. Nesse caso você cita as mesmas e exatas palavras.

Citação indireta é quando você copia uma parte do texto de alguém, mas transcreve para o seu usando palavras diferentes.

Citação de Citação é quando você transcreve um texto que foi citado por alguém. Nesse caso, você não teve acesso ao texto do autor original, apenas de quem já o transcreveu.

Quanto ao tamanho e localização

As curtas são aquelas de até 03 linhas. Elas devem estar inseridas no texto, dentro dos parágrafos, delimitados com aspas duplas.

Já as longas são aquelas com mais de 03 linhas. Elas devem ficar em parágrafo próprio, com recuo de 4 cm da margem esquerda, em letras menores e sem aspas.

Independentemente dos tipos que aparecerem no seu referencial teórico, saiba que você deverá informar, entre parênteses:

1 – O último sobrenome do autor ou o nome da instituição responsável pelo texto em letras maiúsculas;

2 – O ano da publicação, e;

3 – O número da página da publicação em que está o texto citado.

Como exemplo, você pode observar como eu apresentei o conceito, por meio de uma citação direta curta.

Citação Direta, Indireta, Curta e Longa
Citação Direta, Indireta, Curta e Longa

Quantos textos citados devem ser utilizados?

O ideal, segundo minha experiência, é escrever 08 (oito) linhas de texto para cada 02 (duas) linhas de texto citado. No máximo 03 (três) linhas com elas para cada 07 (sete) de texto autoral.

Com menos de 20% (vinte por cento) de delas, é possível que a qualidade teórica do texto fique baixa.

Não deixe que seu texto fique baseado em “achismos”, pois isso fará surgir inúmeras perguntas dos avaliadores na sua apresentação. Nesse caso, mesmo que você saiba responder, com certeza a nota será mais baixa, por que o texto estará omisso.

Por outro lado, com mais de 30% (trinta por cento) delas, os avaliadores podem achar seu texto muito ralo. Isso é o pior que pode acontecer, a banca vai pensar que você foi preguiçoso e fez o trabalho incompleto.

Revisão bibliográfica
Revisão bibliográfica

Nesse sentido, é recomendável que cada uma contenha uma ideia apenas, algo entre 02 e 04 linhas. Evite citações longas, com várias ideias misturadas no mesmo texto.

Vou me basear nas medidas de um artigo científico, que é a modalidade de trabalho acadêmico mais comum do momento.

Mas você pode aplicar todos os números que vou mencionar para uma monografia. Para isso, multiplique as métricas que vou passar por 05.

Aplicação do padrão 20-80

Provavelmente, seu TCC terá mais ou menos 07 páginas de teoria. Além disso, cada uma delas poderá terá mais ou menos 30 linhas. Isso representará um referencial com aproximadamente 210 linhas.

Considerando um percentual entre 20% e 30%, deve haver entre 42 e 63 linhas citadas no seu texto. Isso representa algo em torno de 10 a 31 delas, dependendo do tamanho delas.

É uma margem confortável para você controlar!

Pessoalmente, gosto de trabalhar com 15, numa média de 03 linhas citadas, para a parte de referências sobre teoria. Assim é possível ficar bem próximo do “padrão 20-80”: 20% com elas e 80% de texto autoral.

Você deve ter se assustado com tantos números, mas mantenha a calma!

Nada disso está entre as regras da ABNT. Portanto, nenhum avaliador vai contar quantas delas seu trabalho tem. Busque apenas encontrar um equilíbrio perto desses parâmetros!

Quando começar a procurar

Depois de delimitar o tema e elaborar o projeto de pesquisa ou a introdução, o passo seguinte é o referencial teórico.

ebook temas para TCC.pdf

É fundamental que você só comece a buscar material depois de ter definido o objetivo geral e, principalmente, os específicos. Sem esse cuidado, você simplesmente não vai saber o que procurar.

Não saber exatamente o que está procurando é a principal causa de insucesso no TCC. Quem cai nessa armadilha acaba trabalhando dobrado, triplicado.

Desse jeito você iria ler um monte de coisa inútil, escrever várias páginas e depois perceber que aquilo não serve. Depois iria ter que fazer o trabalho quase inteiro mais uma vez, e outra, e mais outra. Não preciso nem explicar por que tanta gente desiste, não é?

Então, com cada objetivo à mão, você vai apenas ler e fazer o fichamento dos textos mais importantes que achar. Aqui no blog há um artigo sobre como fazer um fichamento (acesse aqui), mas, já digo para você simplesmente anotar:

O trecho de texto que você achou interessante;

O nome completo do autor;

O título da obra;

A editora;

O ano de publicação;

A cidade onde foi publicado;

Seus comentários sobre aquele trecho.

Faça pelo menos 08 ou 10 fichamentos de outros autores para cada objetivo específico. Sempre sugiro que meus orientandos procurem mais do que isso, para que depois possam escolher algumas para eliminar.

Afinal, é melhor sobrar do que faltar, não é? É importante ter sobras, por que na fundamentação você terá de explicar o máximo de detalhes sobre o assunto. E terá de fazer isso sem tirar nada da sua cabeça, só das citações!

Certo, mas onde encontrar esses conteúdos para fichamento?

Como encontrar material de pesquisa

[sociallocker id=”14164″]
Lembre que está fazendo uma pesquisa de caráter científico. Então jamais utilize enciclopédias abertas, como o wikipedia. Fuja de blogs e artigos de opinião ou qualquer fonte de caráter não científico.

Não estou querendo dizer que essas fontes não tem qualidade. Elas tem sim, inclusive, estou escrevendo num blog, não é mesmo?

O problema é que não há garantia nenhuma de que os conhecimentos que você encontrar assim terão caráter científico. O conhecimento pode ter várias naturezas e a ciência é apenas uma delas.

Esse artigo que você está lendo, por exemplo, é técnico e não científico. Veja que informalmente estou te passando um tutorial, muito mais baseado na minha própria experiência do que em teorias.

Sendo assim, as principais fontes teóricas que você deverá utilizar são os livros, os artigos científicos e documentos.

Artigos Científicos, Livros e Documentos
Artigos Científicos, Livros e Documentos

Livros

A primeira fonte que você deve procurar são os livros.

Se você está fazendo TCC na graduação ou na especialização, certamente há livros sobre os seus objetivos específicos. Se não houver, considere rever seu tema por que deve haver algo de muito errado com ele.

ebook temas para TCC.pdf

Normalmente, os livros são didáticos, ou seja, não tem muito compromisso científico, mas didático.

Quer dizer, os livros normalmente são escritos por doutrinadores que já pesquisaram muito no passado. Esses autores se tornaram autoridades e agora escreveram os livros para ensinar o conhecimento que acumularam.

Por isso, os livros trazem o conhecimento mais seguro e mais bem explicado, porém mais genérico e mais antigo. Então, nos livros você vai procurar as informações mais básicas para descrever os conceitos sobre seus assuntos.

Eu recomendo que você comece seu fichamento com os 03 livros dos autores mais tradicionais da área. Leia apenas os capítulos que falem sobre seu tema e separe as partes mais interessantes.

Se você não sabe quem são esses autores, pergunte ao seu orientador!

Depois disso, você pode procurar autores mais específicos, que tenham escritos dedicados a um assunto apenas. Nem sempre existe uma bibliografia específica sobre o assunto do seu tema, mas vale procurar.

Artigos Científicos

Artigos científicos são as pesquisas que representam o conhecimento científico mais atual sobre um assunto.

São textos escritos por autores normalmente pouco conhecidos, provavelmente outros estudantes como você. Mas também autores que estão no auge de sua produção intelectual, em busca do reconhecimento acadêmico.

Desse modo, se você souber procurar bem, possivelmente encontrará materiais de excelente qualidade.

Sempre sugiro aos meus orientados que selecionem pelo menos 10 artigos científicos para embasar seu referencial teórico.

Outra dica, é olhar as referências desses artigos. Normalmente é comum garimpar outras fontes muito boas.

Mas onde procurar bons artigos científicos?

Uma boa opção é o Google Acadêmico (acesse aqui).

A dica aqui é você não procurar pelo tema completo. Quebre seu tema em palavras-chaves.

É provável que você ache um trabalho com um tema diferente, mas relacionado ao seu assunto ou ponto de vista. Assim, é possível que você encontre boas indicações teóricas.

Documentos

Documento é qualquer texto, tabela ou até fotografia que contenha algum dado sobre fato ou acontecimento relevante para a pesquisa. É importante considerar que o documento não tem caráter científico, sendo essa característica que diferencia a pesquisa documento da bibliográfica.

Você não precisa usar documentos na sua pesquisa, mas às vezes é necessário, especialmente nos estudos de caso.

Também, na área jurídica, a pesquisa documental é quase uma regra, visto que você vai precisar citar as normas aplicáveis.

Ainda, poderão ser citados relatórios financeiros ou contábeis, estatísticas, tabelas, papéis oficiais e até jornais ou revistas.

O importante, nesse caso, é identificar o autor do documento, para viabilizar o referencial teórico.

3. Como fazer Referencial Teórico

Após pesquisar o tema, fazer seu fichamento e já dispor de algumas citações, chegará o momento de escrever.

Mas para isso você vai precisar de um planejamento. Não adianta começar sem um roteiro, pois você vai acabar perdendo tempo com parágrafos inteiros que depois irá descartar.

Método para escrever rápido e com eficiência

Você pode usar o método que aplico aqui do blog. Com ele, consigo escrever artigos inteiros, com 15 a 20 páginas, em apenas uma semana.

Resumidamente, você deve fazer o seguinte:

Definir tópicos para serem subtítulos do texto;

Pesquisar textos citados sobre esses tópicos;

Escrever as citações em ordem lógica;

Preencher os espaços vazios com comentários sobre elas.

Definir previamente os tópicos do seu texto vai diminuir violentamente o tempo de trabalho. Assim você só vai procurar o que precisar e quando for escrever, já saberá o que precisa ser dito.

Desse jeito fica muito fácil e rápido, por que você não vai precisar inventar nada, apenas copiar e comentar.

Fundamentação Teórica – Como fazer um artigo

Para fazer isso, pegue o seu objetivo específico e quebre ele em partes. Suponha que um de seus objetivos específicos seja assim:

“Descrever os aspectos éticos do profissional de contabilidade”.

Dividindo esse texto em partes você encontrará “ética”, “profissional” e “contabilidade”. Depois, é só criar perguntas básicas sobre essas três palavras, como essas;

O que é contabilidade?

Como surgiu e se desenvolveu a contabilidade?

Quem é esse profissional?

O que ele faz?

Para que serve o contador?

O que é ética?

Qual a história do desenvolvimento da ética?

Existe classificação para a ética? Qual?

Quais as características da ética?

A ética se relaciona com quais coisas e de que forma?

Como a ética se revela na contabilidade?

Quais são as infrações éticas na contabilidade?

O que acontece quando o profissional de contabilidade não é ético?

Ufa, tive de parar de criar perguntas para o texto não ficar ainda maior! Você viu como é fácil encontrar uma fartura de conteúdos para um capítulo?

Como fazer Referencial Teórico
Como fazer Referencial Teórico

Pronto, agora basta transformar cada perguntas dessas perguntas em tópicos, depois pesquisar sobre elas. Você vai se assustar quando perceber a velocidade de sua produção textual!

Mas agora você já vai ter que se vigiar para não escrever demais! Tome cuidado para não ser repetitivo ou prolixo demais!

Métricas

Vou te dar um conselho: use frases com até 20 palavras e parágrafos de até 04 linhas. Isso não é uma regra, portanto não se trata de uma obrigação. Cada tópico (subtítulo do seu capítulo) deve ter no máximo 300 palavras.

Mas esse exercício vai fazer você escrever de forma mais objetiva e garantir uma leitura mais agradável para o seu leitor.

Saiba que além de um bom conteúdo, a principal missão de um parágrafo é instigar o leitor a continuar lendo. Você percebeu que estou fazendo essa contagem nesse texto?

Marco Teórico
Marco Teórico

4. Modelo de Referencial Teórico

Então que tal ver um exemplo de referencial teórico, passo a passo? Vou desenvolver a seguir um modelo para você, organizando as etapas por parágrafos.

Mas não se prenda a eles. Você pode modificar a ordem, inserir ou retirar algum deles. Em suma, aproveite o modelo, mas fique a vontade!

Primeiro Parágrafo

No primeiro parágrafo, você deve fazer uma mini introdução sobre o assunto do capítulo. Uma boa pedida é iniciar com uma apresentação do assunto, com uma definição, por exemplo.

Segundo Parágrafo

Depois, no segundo parágrafo, você pode falar um pouco mais sobre a identificação do assunto. Você pode usar uma citação indireta curta, aquela em que se reescreve o que leu. Mas nesse caso faça ela com até três linhas e dentro do parágrafo.

Terceiro e Quarto Parágrafos

Na continuação, é só emendar com um comentário sobre o conteúdo citado.
Você simplesmente vai usar suas palavras e falar o que entende sobre o conteúdo citado. Você pode concordar, discordar, complementar, sistematizar, concluir, enfim, o seu papel é decodificar aquela informação para o leitor.
Mas lembre-se das duas regras fundamentais:

Você só escreve sobre o que está citado;

Você só cita aquilo que precisará comentar.

Quer dizer, você até pode interpretar a referência citada de forma extensiva, especulando o que mais poderia significar aquilo. Porém, você não deve inserir novas ideias não relacionadas com o texto citado.

Quinto Parágrafo

Então já é hora de outro texto citado. Que tal usar um autor diferente? Ela pode indicar o histórico do assunto, suas características gerais ou outros elementos que demonstrem sua importância.
Mas como o texto ainda está muito preliminar, ainda recomendo que seja outra curta. Deixe para usar as longas quando o texto estiver exigindo ideias mais profundas, merecendo esse destaque.

Sexto, Sétimo e Oitavo Parágrafos

Já que você trouxe outro texto citado, terá de comentá-la. Mas perceba que agora você já tem a opinião de dois autores. Será que não dá para também relacionar o que eles disseram?

Então você vai primeiro explicar com suas palavras o que o autor disse. Em seguida, você vai fazer uma comparação entre os dois pontos de vista, apontando concordâncias ou diferenças entre eles.

Nono, Décimo-Segundo e Décimo-Quinto Parágrafo

Agora é o momento de aprofundar o texto. Quais são as características específicas do assunto, suas peculiaridades?

Escreva com suas palavras uma ou algumas dessas características. Se forem várias (provavelmente serão pelo menos 03), faça um parágrafo para cada uma.

Décimo e Décimo-Primeiro, Décimo-Terceiro e Décimo-Quarto e Décimo-Sexto e Décimo-Sétimo Parágrafo

Percebe que você fez um parágrafo com comentários sobre algo que ainda não estava embasado em nenhuma fonte externa? Então você agora tem a obrigação de citar algo sobre aquilo que foi dito.

Se você não fizer isso, seu texto correrá enorme risco de perder o caráter científico, transformando-se numa redação simples.

Como houve um aprofundamento sobre o assunto, com as características específicas, a pedida agora é uma citação direta longa. Pode usar uma bem longa aqui, com umas 08 a 10 linhas. Aproveite bem, pois você só poderá fazer isso uma vez por capítulo, no máximo.

Quer dizer, você vai inserir um texto citado, copiando exatamente o que o autor escreveu. Mas você vai fazer isso com pelo menos 04 linhas transcritas. Além disso, faça um parágrafo próprio, com recuo de 4cm, fonte menor e sem aspas.

Por oportuno, saiba que apenas exemplifiquei a descrição das características específicas do assunto, nos parágrafos anteriores. Esses conteúdos são muito importantes para o resultado final da pesquisa e seu assunto deve ter várias deles.

Você pode fazer quantos parágrafos você quiser, sempre citando e comentando, mas explique exaustivamente todas as características do seu assunto.

Décimo-Oitavo Parágrafo

Certo, você já fez seus comentários e já inseriu o texto citado de outro autor. Mas aqui vai outra dica: nunca encerre um raciocínio com um texto citado. Quero dizer que mesmo que você já tenha comentado sobre ela, mesmo assim você ainda vai ter que escrever alguma coisa.

Faça um fechamento sobre aquela ideia. Você pode tirar uma conclusão ou até mesmo fazer uma síntese. Que tal?

Décimo-Nono Parágrafo

Nesse ponto, você já apresentou o tema, a definição, o histórico e as características. Você demonstrou como a essência do assunto é importante para resolver o problema. Depois aprofundou a descrição, mostrando as características mais específicas.

Desse modo, já é possível aprofundar mais um pouco.

Existe algum aspecto relativo ao seu assunto, que tem algum ponto de aderência com o problema, tenho certeza! Pode ser um defeito, uma aplicação prática, suas consequências ou qualquer outro aspecto.

Seja qual for, use-o! Faça comentários sobre esse ponto.

Mas, cuidado! Ainda não é o momento de analisar os resultados, tirar conclusões para o trabalho. O que você precisa é preparar uma transição para o próximo capítulo.

Vigésimo Parágrafo

Mais uma vez, venho te lembrar que se você fez algum comentário, deve também inserir um texto citado sobre ele.

Faça, então, nessa parte do texto, uma citação direta longa sobre o o conteúdo do parágrafo anterior. Mas não use uma muito longa, utilize no máximo 04 ou 05 linhas.

Vigésimo-Primeiro Parágrafo

De novo! Não encerre uma ideia com um texto citado! Nesse caso, como a finalidade é fazer uma transição, recomendo que você nem fale tudo sobre o conteúdo dela. Faça uma chamada de atenção para o artigo seguinte!

Explique alguma coisa mais evidente, mas deixe no ar que ainda falta um algo mais. Algo que o leitor só conseguirá compreender mais para frente do texto, o chamado “pulo do gato”!

Você entende o que estou propondo? Deixe um mistério no ar! Assim o leitor inconscientemente sentirá a necessidade de continuar lendo.

Isso vai fazer seu assunto ficar mais interessante e passará a impressão de que ele é ainda mais importante do que realmente é.

Vigésimo-Segundo Parágrafo

Seu capítulo pode já estar ficando extenso, afinal já terá em média 22 parágrafos, algo entre 66 e 88 linhas, ou 03 páginas, mais ou menos. É hora de partir para o embasamento sobre o ponto de vista, contido no segundo objetivo específico do seu trabalho!

Para fechar esse capítulo, recomendo que você faça um parágrafo com algumas poucas frases. Faça uma síntese do que já foi dito e mostre como vai ser importante relacionar isso com o outro assunto, do capítulo seguinte.

ebook temas para TCC.pdf
[/sociallocker]

Conclusão

Parabéns! Se você leu até aqui, certamente está entre os 5% de pessoas que sabem como fazer um artigo ou monografia em altíssimo nível.

Nesse artigo você teve acesso aos melhores métodos para fazer o referencial teórico da sua pesquisa com rapidez e eficiência.

Agora você precisa colocar todas as dicas e recomendações em prática. Se fizer isso, tenho certeza que seu trabalho será aprovado com uma excelente nota.

Mesmo assim, se você ainda tiver alguma dúvida… Reitero o convite para você deixar um comentário, logo ali abaixo do texto.

Além disso, peço a você que compartilhe esse artigo. Eu fiz com muita atenção a você e sugiro que você tenha a mesma atitude com as outras pessoas.

Lembre-se: compartilhar é se importar com os outros!

Em breve postarei um novo artigo como esse. Se você cadastrar seu e-mail no blog, receberá um aviso por e-mail assim que eu tiver novidades.

Então, receba meu abraço e um até breve!

Professor André Fontenelle